"Clima de terror e de medo" em instituição de solidariedade, denuncia sindicato

"Os trabalhadores estão demasiado oprimidos e a sofrer na pele retaliações", disse a representante do CESP Ana Paula Rodrigues

O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços (CESP) alertou esta terça-feira para um "clima de terror" na Domus Fraternitas, uma instituição particular de solidariedade social de Braga, acusando ainda o diretor de "perseguir" os trabalhadores sindicalizados.

"O clima é de terror, é de medo, opressão e repressão dentro desta instituição. Os trabalhadores estão demasiado oprimidos e a sofrer na pele retaliações. Isto é uma luta do sindicato para tornar público e denunciar os comportamentos e práticas que esta administração tem vindo a ter com o sindicato e com os trabalhadores sindicalizados", disse a representante do CESP Ana Paula Rodrigues, que falava aos jornalistas à margem de um protesto em solidariedade com os funcionários daquela instituição.

A Lusa tentou confrontar a direção da instituição com as acusações daquele sindicato, mas até ao momento não foi possível.

Ana Paula Rodrigues explanou que das reuniões com a direção da instituição "ficou claro que não havia vontade de colaborar com o sindicato e começaram comportamentos dirigidos aos trabalhadores e processos disciplinares".

A sindicalista acusou a direção de agir sempre do mesmo modo. "Há três processos disciplinares com intenção de despedimento. Dois delegados sindicais já foram despedidos e interpuseram recurso. Está outro em curso, o de uma trabalhadora nossa sindicalizada, e o 'modus operandi'" parece sempre ser o mesmo, alegam que os trabalhadores os agridem", descreveu.

Para o CESP a intenção da direção da Domus Fraternitas é clara: "Não há qualquer tipo de comportamento agressivo por parte dos trabalhadores, mas é a forma que tem de limpar a casa em relação ao sindicato".

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.