Silva no top 50 dos apelidos mais comuns no Luxemburgo

Rodrigues e Ferreira são o segundo e terceiro apelidos portugueses mais comuns no Grão-Ducado

O apelido português Silva é um dos 50 nomes mais populares no Grão-Ducado, ficando em 42.° lugar numa lista realizada por investigadores da Universidade do Luxemburgo, publicada este ano em livro.

O "Livro dos Apelidos Luxemburgueses" (no original, "Luxemburger Familiennamenbuch"), dos investigadores Peter Gilles, Christian Kollmann e Claire Muller, analisa a origem e a frequência dos nomes de família no Grão-Ducado, cruzando dados dos registos da população com a lista telefónica.

Na lista telefónica de 2009, os investigadores contaram um total de 36 mil apelidos, que organizaram em função dos mais frequentes, sendo o mais comum Schmit, com 1515 ocorrências.

Em 42.° lugar, com 239 ocorrências, vem "Da Silva" (sic), com "da" grafado com maiúscula, como é habitual nos serviços administrativos no Luxemburgo, que registam a preposição que antecede alguns apelidos portugueses como parte integrante do nome.

Rodrigues é o segundo apelido português mais comum no Luxemburgo (57.°), com 205 pessoas na lista telefónica, seguido de Ferreira (58.°), com 202 pessoas.

Na lista dos 100 nomes mais populares no Grão-Ducado ainda entram "Dos Santos" (sic), em 66.° lugar, com um total de 178 pessoas, e Pereira (69.°), com 175 ocorrências.

O facto de haver vários apelidos portugueses na lista dos nomes mais comuns não surpreendeu os investigadores, num país onde vivem cerca de 100 mil emigrantes, que representam 17% da população.

"Era de esperar. Misturados com os nomes luxemburgueses, encontrámos muitos nomes portugueses, o que indica que há muitos portugueses a viver aqui", disse à Lusa Peter Gilles, que liderou a equipa que realizou o levantamento etimológico.

No total, a lista alargada dos 400 nomes mais frequentes no Luxemburgo inclui 24 apelidos portugueses.

Nos primeiros 200 estão ainda Fernandes (105.°), Gonçalves (106.°), Martins (117.°), Marques (121.°), Gomes (138.°) e Lopes (172.°).

Seguem-se Ribeiro (226.°), "Da Costa" (232.°), Pinto (244.°), Teixeira (276.°), Duarte (283.°) e Alves (286.°).

Nos últimos lugares vêm os apelidos portugueses Dias (300.°), Oliveira (301.°) - que surge como um nome distinto também em 342.° lugar, grafado como "De Oliveira" -, Sousa (303.°), Mendes (337.°) e Monteiro (338.°), com Soares a fechar a lista, em 350.° lugar.

Apesar de o foco do livro - uma investigação sobre a origem dos apelidos luxemburgueses - não serem os nomes de imigrantes no Luxemburgo, o investigador disse à Lusa que seria interessante cruzar os dados recolhidos com estudos sobre os apelidos portugueses mais comuns.

"Provavelmente, os nomes mais comuns em Portugal são também os mais comuns entre os imigrantes", disse Peter Gilles.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?