Sete pinguins morreram afogados num jardim zoológico

Responsáveis do zoo estão a investigar em que circunstâncias os animais morreram

Um jardim zoológico de Calgary, no Canadá, está a investigar a morte por afogamento de sete pinguins. Os animais foram encontrados esta quinta-feira e a causa das mortes foi confirmada pelas autópsias realizadas pelo veterinário do zoo.

Os responsáveis pelo zoo mostraram-se perplexos pelas "notícias devastadoras", segundo a BBC, e querem perceber o que aconteceu.

Os sete animais eram pinguins-de-humboldt e faziam parte da exposição de seres aquáticos do zoo. Restaram 15 pinguins da mesma espécie e mais alguns de outras três espécies diferentes.

Não é primeira vez que animais morrem em circunstâncias misteriosas no jardim zoológico de Calgary. Uma lontra de 12 anos morreu também afogada este ano quando ficou presa num par de calças. A roupa tinha sido dada pelos tratadores ao animal para ele brincar. Dois funcionários do zoo foram punidos.

Em 2011, um tratador pediu demissão após ter provocado a morte de uma cobra-do-milho. O funcionário não seguiu as instruções devidas e a cobra acabou por morrer por hipertermia.

Dois anos antes, em 2009, uma capivara gigante tinha morrido esmagada por uma porta hidráulica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.