Será hoje o dia mais triste do ano?

Uma "fórmula científica" revelou que hoje é o dia mais triste do ano, mas muitos duvidam da veracidade desta descoberta

A data repete-se todos os anos e até já está assinalada no calendário de muitos: depois do Natal, da passagem de ano e do dia dos Reis, vem, na terceira segunda-feira do mês de janeiro, a Blue Monday. Este dia, que este ano calhou a 16, é tido como o dia mais triste e deprimente do ano.

A Blue Monday é um dos mitos urbanos que mais se propagou nos últimos anos. O termo foi inventado em 2005 por um psicólogo que inventou uma fórmula matemática para calcular qual era o pior dia do ano.

Para isso, Cliff Arnall reuniu variáveis aleatórias - como o mau tempo, as dívidas da época das festas, o tempo que passou desde o Natal, o facto de as resoluções de ano novo ainda não terem sido realizadas, e o regresso ao trabalho ou à escola - e concluiu que a terceira segunda-feira do ano é o dia mais triste.

Contudo, o que muita gente não sabe, é que este psicólogo foi pago pela agência de viagens Sky Travel para chegar a esta fórmula. O objetivo da Sky Travel era convencer o público que a melhor maneira de sobreviver ao dia mais triste do ano era fazer algo que sempre anima toda a gente: viajar ou marcar uma viagem, segundo o Guardian.

Desde então, o mito da Blue Monday surge com explicações cada vez mais complexas validadas pelo senso comum.

O psicólogo Cliff Arnall descobriu também que o dia mais feliz do ano calha no mês de junho, desta vez pago pela marca de gelados Walls (Olá, em Portugal).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.