Seis feridos, dois com gravidade, em incêndio urbano no Cartaxo

Duas crianças foram levadas para o Hospital de Santarém. Dois adultos sofreram queimaduras de primeiro grau, um de segundo grau e outro fraturou uma perna

Seis pessoas, entre as quais duas crianças, ficaram hoje feridas devido a um incêndio no apartamento onde viviam, no centro do Cartaxo, distrito de Santarém, tendo dois dos adultos sofrido ferimentos graves, disseram fontes da Proteção Civil.

Fonte da Câmara Municipal do Cartaxo afirmou à Lusa que as crianças, com idades entre os três meses e os três anos, foram levadas para o Hospital de Santarém para serem assistidas por inalação de fumos.

Um dos adultos sofreu queimaduras de segundo grau e o outro fraturou uma perna ao saltar por uma janela do terceiro andar, tendo os outros dois adultos sofrido pequenas queimaduras de primeiro grau nas mãos, disse a fonte.

Os adultos, três homens e uma mulher, têm idades entre os 32 e os 44 anos, adiantou.

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém, o alerta foi recebido às 04:14 de hoje e o fogo ficou confinado ao apartamento onde residia a família, no terceiro andar do prédio, situado na rua da Horta da Fonte.

A fonte do município afirmou que não foram ainda apuradas as causas do incêndio, admitindo-se que possa ter tido origem num aparelho de aquecimento.

No local estiveram os Bombeiros Municipais do Cartaxo e os Voluntários de Santarém, a viatura médica de emergência e reanimação do Hospital de Santarém e a PSP, com um total de 23 operacionais, disse a fonte do CDOS.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.