Seis feridos, dois com gravidade, em incêndio urbano no Cartaxo

Duas crianças foram levadas para o Hospital de Santarém. Dois adultos sofreram queimaduras de primeiro grau, um de segundo grau e outro fraturou uma perna

Seis pessoas, entre as quais duas crianças, ficaram hoje feridas devido a um incêndio no apartamento onde viviam, no centro do Cartaxo, distrito de Santarém, tendo dois dos adultos sofrido ferimentos graves, disseram fontes da Proteção Civil.

Fonte da Câmara Municipal do Cartaxo afirmou à Lusa que as crianças, com idades entre os três meses e os três anos, foram levadas para o Hospital de Santarém para serem assistidas por inalação de fumos.

Um dos adultos sofreu queimaduras de segundo grau e o outro fraturou uma perna ao saltar por uma janela do terceiro andar, tendo os outros dois adultos sofrido pequenas queimaduras de primeiro grau nas mãos, disse a fonte.

Os adultos, três homens e uma mulher, têm idades entre os 32 e os 44 anos, adiantou.

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém, o alerta foi recebido às 04:14 de hoje e o fogo ficou confinado ao apartamento onde residia a família, no terceiro andar do prédio, situado na rua da Horta da Fonte.

A fonte do município afirmou que não foram ainda apuradas as causas do incêndio, admitindo-se que possa ter tido origem num aparelho de aquecimento.

No local estiveram os Bombeiros Municipais do Cartaxo e os Voluntários de Santarém, a viatura médica de emergência e reanimação do Hospital de Santarém e a PSP, com um total de 23 operacionais, disse a fonte do CDOS.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.