Seis feridos, dois com gravidade, em incêndio urbano no Cartaxo

Duas crianças foram levadas para o Hospital de Santarém. Dois adultos sofreram queimaduras de primeiro grau, um de segundo grau e outro fraturou uma perna

Seis pessoas, entre as quais duas crianças, ficaram hoje feridas devido a um incêndio no apartamento onde viviam, no centro do Cartaxo, distrito de Santarém, tendo dois dos adultos sofrido ferimentos graves, disseram fontes da Proteção Civil.

Fonte da Câmara Municipal do Cartaxo afirmou à Lusa que as crianças, com idades entre os três meses e os três anos, foram levadas para o Hospital de Santarém para serem assistidas por inalação de fumos.

Um dos adultos sofreu queimaduras de segundo grau e o outro fraturou uma perna ao saltar por uma janela do terceiro andar, tendo os outros dois adultos sofrido pequenas queimaduras de primeiro grau nas mãos, disse a fonte.

Os adultos, três homens e uma mulher, têm idades entre os 32 e os 44 anos, adiantou.

Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém, o alerta foi recebido às 04:14 de hoje e o fogo ficou confinado ao apartamento onde residia a família, no terceiro andar do prédio, situado na rua da Horta da Fonte.

A fonte do município afirmou que não foram ainda apuradas as causas do incêndio, admitindo-se que possa ter tido origem num aparelho de aquecimento.

No local estiveram os Bombeiros Municipais do Cartaxo e os Voluntários de Santarém, a viatura médica de emergência e reanimação do Hospital de Santarém e a PSP, com um total de 23 operacionais, disse a fonte do CDOS.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.