Seguradoras pagam um milhão de euros por 100 carros destruídos no Andanças

A GNR registou 444 participações referentes a veículos destruídos ou danificados parcialmente no incêndio

Cerca de cem automóveis destruídos pelo fogo no festival Andanças, em Castelo de Vide, têm cobertura de incêndio e vão receber um total de um milhão de euros de indemnização, informou hoje a Associação Portuguesa de Seguradores (APS).

"Cerca de um quarto dos veículos que arderam têm cobertura de incêndio", afirma a APS em comunicado hoje divulgado, no qual dá conta de as seguradoras terem contabilizado mais de uma centena de participações ao abrigo da cobertura de incêndio do seguro de danos próprios.

O levantamento, diz a associação, foi feito com base "em informação atualizada" sobre os seguros dos veículos que arderam na quarta-feira em Castelo de Vide.

"A estas participações corresponderá um valor global de indemnizações a pagar ligeiramente superior a um milhão de euros", afirma a APS, depois de ter feito o primeiro levantamento dos danos sofridos pelos proprietários das viaturas sinistradas que tinham contratado o seguro de danos próprios com a inclusão da cobertura de incêndio.

"De acordo com os dados apurados até à data, estima-se que cerca de um quarto destes veículos possui um seguro com a cobertura de incêndio, podendo resolver por esta via a sua situação", afirmou.

A seguradora Liberty Seguros, também em comunicado, anunciou ainda ter decidido, caso venha revelar-se necessário, assumir "todos os sinistros que tenham afetado clientes seus" no incêndio ocorrido em 03 de agosto e que destruiu 422 veículos automóveis e danificou outros nove.

Mas a seguradora ressalva que, no caso de pagar um sinistro não coberto pela apólice, nomeadamente por só cobrir danos a terceiros, se reserva do direito a ser posteriormente reembolsada dos valores pagos de quem venha a apurar-se como culpado.

"A Liberty Seguros assumirá a reparação dos danos dos seus clientes mesmo que estes apenas tenham contratado apólices de responsabilidade civil contra danos a terceiros, evitando o longo tempo de espera característico destes complexos processos, situação que ilibaria a Liberty Seguros de qualquer responsabilidade num incidente como o que ocorreu no festival Andanças", afirma a seguradora no comunicado.

Na quarta-feira à tarde, um incêndio que deflagrou num dos parques de estacionamento do festival de dança e música Andanças, em Castelo de Vide (distrito de Portalegre), destruiu mais de 400 carros, mas não causou danos pessoais.

No total, a GNR registou 444 participações referentes a veículos destruídos ou danificados parcialmente no incêndio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?