Seguradora do festival Andanças diz que vai cumprir responsabilidades

Incêndio deflagrou esta quarta-feira num parque de estacionamento nas imediações de dança

A Crédito Agrícola Seguros, com a qual a organização do festival Andanças fez uma apólice de responsabilidade civil, assegurou hoje que vai cumprir com as suas responsabilidades na sequência do incêndio que danificou centenas de viaturas.

"Da nossa parte, sabemos que está a ser tudo articulado e de certeza que vamos cumprir com as nossas responsabilidades", afirmou à agência Lusa fonte do gabinete de comunicação da CA Seguros, pertencente à Caixa Agrícola.

Sem precisar dados sobre o processo, a mesma fonte referiu que "a companhia de seguros irá cumprir a sua parte" mediante o que tiver sido acordado com a organização do festival.

"Nós somos cumpridores", insistiu.

Ainda assim, ressalvou que "está tudo a ser avaliado e investigado", razão pela qual ainda não existem dados sobre os danos causados pelo fogo.

O incêndio que deflagrou na quarta-feira num parque de estacionamento nas imediações do festival de dança, no distrito de Portalegre, destruiu 422 viaturas e danificou parcialmente outras nove, segundo a Proteção Civil.

Embora sem ferimentos graves, três pessoas foram assistidas no local, duas das quais foram transportadas para o hospital de Portalegre, por inalação de fumos.

Logo na quarta-feira, a organização do festival assegurou ter "um seguro que cobre os danos" resultantes do incêndio, encontrando-se na altura em contactos com a seguradora para fazer uma avaliação.

Já esta manhã, a organização indicou não haver ainda uma tomada de posição por parte da seguradora com a qual contratualizou o seguro do festival, por estarem a ser recolhidos dados junto dos proprietários dos veículos.

À tarde, a Associação Portuguesa de Seguradores aconselhou os proprietários de veículos danificados a acionarem os respetivos seguros individuais, por forma a serem indemnizados.

Entretanto, a Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores - Deco alertou, através de um comunicado publicado no seu 'site', que "quem tem cobertura de incêndio no seguro automóvel deve ativá-la de imediato".

"Se a apólice não a inclui, o consumidor terá de aguardar até as responsabilidades estarem apuradas", adiantou a associação, explicando que "o acordo entre seguradoras ou o pagamento pela organização do evento são cenários possíveis".

O Andanças - Festival Internacional de Danças Populares decorre desde segunda-feira nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho de Castelo de Vide.

Promovida pela Pé de Xumbo, Associação para a Promoção da Música e Dança, a 21.ª edição do festival espera receber, até domingo, 40 mil visitantes, numa área de 28 hectares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.