Secretas britânicas são o melhor empregador para homossexuais

O MI5 foi considerado a organização mais "gay-friendly" do Reino Unido, promovendo a integração dos seus trabalhadores homossexuais, bissexuais e transexuais

As secretas britânicas MI5 foram declaradas o empregador mais tolerante e que mais promove a diversidade LGBT no local de trabalho do Reino Unido. O MI5 ficou à frente de mais de 400 organizações britânicas incluídas na sondagem do grupo dos direitos dos homossexuais e transexuais Stonewall, sendo considerado o empregador mais respeitador e promotor da diversidade das pessoas homossexuais, bissexuais e transexuais.

As secretas MI5 ficaram significativamente acima da outra agência de serviços secretos britânica, o MI6, que se foca em ação no estrangeiro. O MI6 foi considerado o 36.º melhor empregador para os trabalhadores LGBT (acrónimo inglês que se refere à comunidade homossexual, bissexual e transexual), alguns lugares abaixo do exército, em 32.º, e da marinha, em 10.º.

O inquérito da Stonewall recebeu respostas de 60 mil trabalhadores em mais de 400 empresas do setor público e privado no Reino Unido. O inquérito incluía questões acerca da inclusão e diversidade LGBT nas empresas, e também englobava perguntas sobre oportunidades para subir na carreira dentro das organizações.

Citado pelo jornal britânico The Times, um porta-voz do MI5 explicou que a agência de serviços secretos acredita que os espiões devem ter liberdade para serem honestos sobre si próprios, para poderem concentrar-se no seu trabalho. Acrescentou ainda que era importante refletir nos seus quadros a sociedade que protege. "A diversidade é essencial para o MI5, não só porque está certo que representemos as comunidades pelas quais trabalhamos, mas também porque dependemos das competências das pessoas mais talentosas, quem quer que sejam", disse o diretor-geral do MI5, Andrew Parker.

Só em 1992 os serviços secretos britânicos deixaram de estar interditos a trabalhadores abertamente homossexuais.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?