Seca deixa povoações alentejanas sem água para beber

O verão ainda vai a meio, mas Mértola e Almodôvar já sentem na pele os efeitos da falta de chuva no último inverno. Várias povoações são abastecidas com autotanques

"O que se está a passar é alarmante e precisa de uma solução rápida", alerta o presidente da câmara de Mértola, Jorge Rosa, numa altura em que as pequenas povoações do concelho já dependem do abastecimento do autotanque para garantirem água para beber e matarem a sede ao gado. Tal como em Almodôvar, ali ao lado. Efeitos do terceiro ano consecutivo com pouca chuva, a que se juntou o verão mais quente dos últimos 86 anos, como revela o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que prevê mais calor para agosto e um estio semelhante ao de 2010 ou 2003, que também se deverá fazer sentir por Trás-os-Montes.

Jorge Rosa já pede ao Governo que declare o estado de seca ou calamidade para Mértola, justificando que nos últimos três anos choveu pouco, deixando o concelho sem reservas de águas. "Os solos não fazem retenção e os lençóis freáticos são poucos para as necessidades", alerta, revelando que desde a primavera que a autarquia está a transportar água para consumo humano, mas também para abeberamento dos animais nas explorações agrícolas, como confirma ao DN o produtor José Castro.

"Já tive de ir à vila buscar água com um depósito no trator, porque a charca já não tinha nada. Secou tudo por aqui e isto começa a ficar muito grave, porque o gado bebe o triplo com este calor", diz, enquanto o autarca revela ter conhecimento de vários produtores que se estão a deslocar às freguesias mais próximas para não deixarem faltar água aos animais. "Alguns viajam 20 quilómetros. Veja o prejuízo que isso é", salienta, receando que se comece a assistir à morte de alguns animais à sede.

Preocupações partilhadas pelos vizinhos de Almodôvar Onde o bombeiros também têm andado em grande atividade para abastecer oito populações mais isoladas desde abril. "As reservas são quase nulas", testemunha o autarca António Bota, ao ver secos os furos que abasteciam as pequenas localidades. "O abastecimento às pessos já é quase e diário, mas prevemos mais dificuldades para quem tem gado e hortejos", admite o edil perante o anúncio de um agosto quente. "Em breve poderemos a estar a precisar de um apoio mais direto", diz.

E Pedro Viterbo, diretor da meteorologia e geofísica do IPMA, confirma a tendência de temperaturas elevadas para as próximas semanas. "É natural que haja regiões que necessitem de ser alimentadas com autotanques, como é frequente em Trás-os-Montes e Alentejo", refere, admitindo ser uma fatura do julho "especialmente quente nas temperaturas máximas", que traduzir um recorde face aos últimos 86 anos. "Houve mais evaporação", diz, comparando este verão aos de 2010 e 2003, quando arderam mais de 400 mil hectares no país. "Este ano tem corrido bem, porque andamos apenas pelos 7 mil hectares ardidos", resume.

Contactada pelo DN, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) diz que o abastecimento em Mértola depende das obras a cargo da empresa Águas Públicas do Alentejo para o abastecimento de água em alta, que vão começar este ano, enquanto em Almodôvar o problema será minimizado com recurso à proteção civil. A APA acrescenta que a Administração da Região Hidrográfica do Alentejo vai considerar prioritários e agilizar pedidos de licenciamento de pesquisa e de captação de água "associados a utilizações de água para diversos fins, com particular destaque para o abastecimento às populações e para o abeberamento de gado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.