Samira foi enterrada ao lado da campa da irmã bebé

Quatro dias depois do funeral de Viviane, de 19 meses, foi hoje a despedida de Samira, de 4 anos, no cemitério de Rio de Mouro

Um rato Mickey e um urso de peluche são visíveis em cima de uma grande coroa de flores, a cobrir uma campa pequena, no cemitério de Rio de Mouro (em Sintra). Ali ficou hoje Samira, de quatro anos, ao lado da irmã Viviane, de 19 meses, enterrada no último domingo. O funeral de Samira, resgatada da praia de Giribita, em Caxias (Oeiras), no domingo, decorreu esta tarde, às 15.00.

Os peluches são lembranças da curta vida de Samira, cujo corpo só foi resgatado do mar no último domingo, dia em que a sua irmã Viviane, de 19 meses, foi a enterrar. A mãe, Sónia Lima, está em prisão preventiva no hospital prisional de Caxias, em Oeiras, indiciada por duplo homicídio qualificado, por ter, alegadamente, causado a morte das duas filhas pequenas na segunda-feira à noite, 15 de fevereiro.

O pai das crianças, Nelson Ramos, esteve hoje mais uma vez apoiado em familiares próximos. No espaço de quatro dias despediu-se de duas filhas. As duas famílias, a de Nelson e a de Sónia, estiveram presentes no funeral de Samira sem que tenham existido incidentes.

Nelson Ramos pediu proteção policial depois de ter recebido algumas ameaças nas redes sociais após a morte das crianças. Hoje, à semelhança do que aconteceu domingo, alguns polícias à paisana marcaram presença de forma discreta no cemitério.

Exclusivos