Sair do IKEA? Impossível! Clientes presos três horas no estacionamento

Funcionários acabaram por distribuir garrafas de água, mas não sabiam como explicar ou resolver a situação

O primeiro fim de semana da nova loja do IKEA no Reino Unido (na cidade de Reading) ficou marcado não só pela grande afluência de clientes, mas sobretudo pelo caos que se gerou no parque de estacionamento. Segundo relataram os consumidores no Twitter, sair da loja de decoração e mobiliário chegou mesmo a demorar três a quatro horas.

"É mais fácil sair da Europa do que do parque de estacionamento do IKEA de Reading", ironiza um homem, nesta rede social. "20 minutos na loja, três horas no parque de estacionamento. Dia desperdiçado", comentou outro.

O caos na loja - que foi inaugurada na quinta-feira, dia 14 de julho - poderá ser justificado pela existência de uma única saída, embora, ao The Guardian, Johana Heuren, o gerente, tenha dito que a eficácia do plano de controlo de tráfego automóvel aplicado este domingo já tinha sido comprovada em outros fins de semana de grande afluência, sendo esta situação inexplicável.

Ao mesmo jornal, Stacey Barber, 22 anos, cliente presa neste trânsito durante três horas, explicou que os funcionários acabaram por distribuir garrafas de água, mas que não sabiam o que se estava a passar nem como resolver a situação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.