Saint Laurent fez campanha "porno chic" e os franceses não gostaram

Regulador da publicidade e o mais destacado grupo feminista francês já se insurgiram contra as imagens

A Saint Laurent, marca francesa de luxo, colocou nos últimos dias uma nova campanha nas ruas de Paris. Pela cidade, outdoors mostram duas manequins em posições pouco naturais e mesmo raras em imagens de moda: uma, dobrada sobre um banco com os braços caídos; a outra, deitada, com as pernas abertas em jeito de provocação.

Mas os parisienses não gostaram dos cartazes e já pediram ao regulador do setor publicitário para intervir. Stéphane Martin, responsável pela regulação, diz que a maioria das queixas eram de pessoas que consideravam que as imagens "incitam à violação". A marca "quebrou as regras, não há contestação possível", acrescenta.

"Não tenho a certeza que as clientes [da Saint Laurent] queiram ser associadas a estas imagens. Já tivemos um tipo de porno chic há uma década, e agora está aí de novo, o que não é aceitável", acrescenta Martin.

Stéphane Martin vai encontrar-se com representantes da marca na próxima sexta-feira e, de acordo com o The Guardian, vai decidir então se vai ou não tomar medidas, visto que o organismo que orienta pode pedir a anunciantes para retirarem ou mudarem as suas campanhas.

Já Raphaëlle Rémy-Leleu, porta-voz do maior grupo feminista francês, Oséz le Feminisme! (Atreve-te a ser Feminista!), refere que não é a primeira vez que a Saint Laurent pisa o risco. "Tem todos os itens sexistas. As mulheres são objetificadas, hiper sexualizadas e postas em posições submissas", afirmou.

"Como é que eles pensam que vão vender algo a mulheres com aquilo? Mas temos que nos perguntar se não foi intencional. Se não se tratou de criar um escândalo para falarmos sobre eles [Saint Laurent]", acrescenta Rémy-Leleu.

Ainda não existem reações da marca, mas esta não é a primeira vez que a Saint Laurent se encontra numa polémica com uma campanha de moda. Há dois anos, o regulador de publicidade no Reino Unido baniu uma campanha da marca francesa devido à magreza excessiva da manequim.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."