Robô bebé? Universidade holandesa anuncia primeiros robôs que procriam

"Cria robô" nasce através de uma impressora 3D, à qual os pais submetem as "informações de ADN"

Um grupo de investigadores da universidade de Amesterdão, na Holanda, garante que conseguiu tornar ficção científica em realidade. Como? Construindo robôs que são capazes de se "apaixonar" e procriar. Os filhos, explicam, "nascem" através de uma impressora 3D que imprime os módulos que compõem o robô bebé a partir do material genético dos pais, ou seja, do código e do hardware partilhado por ambos.

Levou um ano e meio até que Guszti Eiben, o responsável pelo projeto da universidade holandesa, e a sua equipa, conseguissem que os robôs completassem o ciclo de vida, do nascimento à reprodução. "Este avanço é um passo importante para a evolução industrial e pode ter um papel importante, por exemplo, na colonização de Marte", indica o comunicado que anuncia o sucesso do projeto.

Tudo começa, na prática, com dois robôs modulares - não são humanoides - capazes de se movimentarem e que são "treinados" pelos cientistas para se deslocarem até uma luz vermelha. Os dois que fazem o trajeto mais rapidamente podem contactar um com o outro e avaliar se são compatíveis, através de vários "encontros românticos". Se decidirem procriar, usam o wi-fi para submeter o seu material genético - ou seja, código e hardware com que funcionam - para uma impressora 3D, e aguardam o nascimento do "robô bebé".

Durante o processo de reprodução, as características dos pais são combinadas aleatoriamente, incluindo o software - o cérebro - e o hardware - o corpo. Após o "nascimento" - a impressão do robô bebé - o recém-nascido passa por um período de aprendizagem que, a ter sucesso, permitir-lhe-á tornar-se adulto e, eventualmente, pai de mais um robô. O líder do projeto sublinha: "os robôs que evoluem podem adaptar-se ao seu ambiente e lidar com situações imprevistas. Os corpos, cérebros e comportamentos são constantemente testados pelo ambiente e as características úteis são amplificadas nas gerações futuras. Esta tecnologia abre novas perspetivas para a robótica, inteligência artificial, investigação espacial e até para a biologia".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.