Retomadas buscas para encontrar turista desaparecida na ilha das Flores

Alerta para o desaparecimento foi dado por um familiar na tarde de terça-feira

As buscas para encontrar uma turista desaparecida na terça-feira no mar da ilha das Flores, nos Açores, foram hoje retomadas às 08:00 locais (mais uma hora em Lisboa), disse o capitão do porto de Santa Cruz das Flores.

Segundo Rafael da Silva, além da embarcação da Autoridade Marítima, está no local um helicóptero da Força Aérea Portuguesa, sendo que em terra as buscas contam com elementos da Polícia Marítima e dos bombeiros.

"Estamos a avaliar se o estado do mar melhora para a eventual utilização de uma embarcação dos bombeiros", afirmou Rafael da Silva, explicando que as buscas vão centrar-se "na orla costeira, na costa oeste da ilha das Flores".

O alerta para o desaparecimento, na Fajã Grande, foi dado por um familiar às 15:20 de terça-feira.

"Foi contactado o 112, que informou o Centro de Busca e Salvamento Marítimo de Ponta Delgada. Começámos a deslocar meios e às 15:45 chegámos à área de busca", referiu Rafael da Silva.

Nesse dia, foi empenhada uma embarcação da Autoridade Marítima, mas dado o estado "muito alteroso não houve condições" para o trabalho de outras embarcações, adiantou o mesmo responsável.

O capitão do porto de Santa Cruz das Flores salientou que este "incidente resulta de um comportamento perigoso, em concreto a entrada no mar quando este se encontrava muito alteroso", com quatro metros de vaga.

Rafael da Silva apelou a um "extremo cuidado com o mar", referindo que se aproxima o inverno, "com tempo tempestuoso, vento forte, agitação marítima muito significativa", pedindo às pessoas que evitem frequentar zonas na orla costeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.