Retomadas buscas para encontrar turista desaparecida na ilha das Flores

Alerta para o desaparecimento foi dado por um familiar na tarde de terça-feira

As buscas para encontrar uma turista desaparecida na terça-feira no mar da ilha das Flores, nos Açores, foram hoje retomadas às 08:00 locais (mais uma hora em Lisboa), disse o capitão do porto de Santa Cruz das Flores.

Segundo Rafael da Silva, além da embarcação da Autoridade Marítima, está no local um helicóptero da Força Aérea Portuguesa, sendo que em terra as buscas contam com elementos da Polícia Marítima e dos bombeiros.

"Estamos a avaliar se o estado do mar melhora para a eventual utilização de uma embarcação dos bombeiros", afirmou Rafael da Silva, explicando que as buscas vão centrar-se "na orla costeira, na costa oeste da ilha das Flores".

O alerta para o desaparecimento, na Fajã Grande, foi dado por um familiar às 15:20 de terça-feira.

"Foi contactado o 112, que informou o Centro de Busca e Salvamento Marítimo de Ponta Delgada. Começámos a deslocar meios e às 15:45 chegámos à área de busca", referiu Rafael da Silva.

Nesse dia, foi empenhada uma embarcação da Autoridade Marítima, mas dado o estado "muito alteroso não houve condições" para o trabalho de outras embarcações, adiantou o mesmo responsável.

O capitão do porto de Santa Cruz das Flores salientou que este "incidente resulta de um comportamento perigoso, em concreto a entrada no mar quando este se encontrava muito alteroso", com quatro metros de vaga.

Rafael da Silva apelou a um "extremo cuidado com o mar", referindo que se aproxima o inverno, "com tempo tempestuoso, vento forte, agitação marítima muito significativa", pedindo às pessoas que evitem frequentar zonas na orla costeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.