Restaurante do chef Avillez vandalizado devido a participação em festival israelita

"Liberdade para a Palestina" e "Avillez colabora com a ocupação sionista" são duas das frases dos cartazes colados na fachada

A fachada do restaurante Cantinho do Avillez, no Porto, foi vandalizada na sexta-feira, por causa da participação do chef José Avillez num festival gastronómico em Israel, avançou hoje o jornal israelita The Times of Israel.

De acordo com o jornal, o ataque terá tido como responsáveis ativistas do movimento global BDS (Boicote-Desinvestimento-Sanções) contra Israel. A fachada do restaurante foi pintada com tinta vermelha e nela foram colados papéis nos quais podem ler-se frases como "Liberdade para a Palestina", "Avillez colabora com a ocupação sionista" e "Entrada: uma dose de fósforo branco".

A Lusa tentou contactar o chef José Avillez, mas até ao momento não foi possível.

O blogue português de solidariedade com a Palestina "Palestina Vence" refere, numa publicação datada de 10 de novembro, que "ativistas contra o regime israelita de ocupação e apartheid lançaram um apelo [por carta] ao chef de cozinha português José Avillez, dono do restaurante Belcanto em Lisboa, para que este cancelasse a sua participação no evento de culinária em Telavive intitulado Round Tables".

De acordo com aquele blogue, este apelo faz parte de um protesto internacional "que juntou mais de 140 organizações de direitos humanos contra a participação no evento de restaurantes 'gourmet', entre os quais L'Ami Jean em Paris e o Musket Room em Nova Iorque".

O Round Tables, que decorre desde seis de novembro e termina no dia 26, refere o blogue, faz parte da campanha israelita "Brand Israel", "que tem por objetivo branquear a violenta opressão do povo palestiniano".

O apelo ao chef José Avillez foi subscrito pela Associação Abril, o Colectivo Mumia Abu Jamal, o Comité de Solidariedade com a Palestina, o Conselho Português para a Paz e Cooperação, o Grupo Acção Palestina, o MPPM - Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente, o Panteras Rosa - Frente de Combate à Lesbigaytransfobia e o SOS Racismo.

O vice-presidente do Congresso Judaico Mundial, citado pelo The Times of Israel, condenou o ataque do movimento BDS, que disse ser anti-semita.

"O movimento BDS mostrou a sua cara. Provaram não serem mais do que um grupo de vândalos. Isto foi um ato de antissemitismo. Atacar um chef' em Portugal apenas porque participou num festival em Telavive é desprezível. Estes autodeclarados ativistas dos Direitos Humanos são exatamente o oposto: espalham ódio, não direitos humanos", defendeu Robert Singer, num comunicado divulgado no sábado.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?