Registo de doenças raras avança este ano

Estima-se que existam entre 600 mil e 800 mil portugueses com doenças raras. Porto também vai ter uma Casa dos Marcos adianta Associação Raríssimas

Estima-se que existam entre 600 mil e 800 mil portugueses com doenças raras. A Direção Geral da Saúde (DGS) diz que irá avançar neste ano com o seu registo. "Durante 2016 pretende-se alavancar a iniciativa de conceptualização de um registo único intersetorial das doenças raras em Portugal. O registo que venha a ser desenhado deverá responder aos requisitos da União Europeia, assim como garantir a interoperabilidade entre diferentes sistemas de informação relevantes para o acompanhamento das pessoas com estas doenças", explica a DGS, referindo pretender reduzir a dispersão da informação e aumentar o acesso "às intervenções diagnósticas e terapêuticas".

Quanto aos centros de referência, esperados há vários anos, refere que a comissão interministerial, constituída pelos ministérios da Saúde, da Educação e da Segurança Social, prevê apostar na sua criação. "Estão já em processo de reconhecimento oficial centros de referência para cancros pediátricos raros, doenças hereditárias do metabolismo (ambos com candidaturas em análise) e paramiloidose".

No ano passado o Plano Nacional para as Doenças Raras, criado em 2008, foi substituído pela Comissão interministerial, que junta os ministérios da Saúde, Educação e Segurança Social e que tem como missão implementar uma estratégia integrada para as doenças raras. Missão essa que "visa reunir os contributos, competências e recursos de todos os sectores relevantes, de modo a promover, de forma progressiva, uma mudança real nas condições complexas das pessoas que sofrem de doença rara, melhorando o acesso e a qualidade dos cuidados de saúde, as condições de tratamento, com base nas evidências que a ciência vem produzindo e diversificando as respostas sociais adaptadas a cada caso", explica a DGS.

"Esta Comissão propõe levar a cabo, em 2016, um plano de operacionalização das prioridades consignadas na Estratégia Integrada para as Doenças Raras", a publicar hoje, Dia das Doenças Raras.

Quinta dos Marcos vai nascer no Porto

Para assinalar o dia, representantes dos três ministérios vão visitar a Casa dos Marcos. Uma casa "como não há igual no mundo", afirma a presidente da Associação Raríssimas, Paula Brito e Costa, que está disponível para ajudar o governo na criação da estratégia.

"Há muito que dizemos que a problemática das doenças raras é transversal. Não é só da saúde, da segurança social ou da educação. Estamos disponíveis para ajudar. Nas três áreas existe muita coisa para ser feita e muitas áreas em que é possível cooperar. Apoio às famílias, formação direcionada às técnicas de salas multideficiência em escolas públicas, onde encontramos meninos com doenças raras. Estamos disponíveis para dar essa formação. Na saúde é possível a Casa dos Marcos ser complementar ao SNS com reabilitação e planos personalizados de tratamento", diz Paula Brito e Costa.

A Casa dos Marcos nasceu na Moita e tem sido visitada por estrangeiros que querem saber como funciona o espaço. Tem o nome do filho de Paula, que morreu devido a uma doença rara. Em breve, o Porto também terá uma para ajudar estes doentes e apoiar as famílias, além das delegações que já existem no Algarve, Viseu e Madeira. "Os concursos públicos estão prontos. Será a Quinta dos Marcos, na Maia. Casas como esta são uma responsabilidade da sociedade civil. A responsabilidade da tutela é ver o que existe e onde é possível cooperar. Com estes espaços seremos capazes de responder onde nos procuram mais", refere.

Na Moita, a Casa dos Marcos está preparada para crescer mais um piso. "Sou uma pessoa muito determinada e tinha a certeza que era capaz de o conseguir. O meu orgulho são os meus pequenos. Estou orgulhosa de ser uma boa 'mãe' e de poder minimizar o sofrimento deles e das famílias. Têm o tratamento que ninguém tem e isso basta-me", diz.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.