Refugiados reaprendem a desfrutar da vida, "um dia de cada vez"

Dos 43 imigrantes que já passaram pelo programa de acolhimento, desde há um ano, mantêm-se 20

Aesha e Bashar conseguiram voltar a sorrir. Fazem-no ao falar da "simpatia" dos vizinhos, da "fantástica" professora de Português e dos "amigos" que os três filhos já fizeram na escola. Aos poucos, a felicidade volta ao quotidiano deste casal de advogados sírios, depois da tormenta dos últimos anos, que os fez abandonar Rakka, a capital do autoproclamado Estado islâmico, e arriscar a própria vida e a dos filhos ao longo de uma já tristemente célebre rota de refugiados que inclui a entrada clandestina na Turquia e uma travessia de barco até à Grécia, onde ficaram sete meses até serem encaminhados para Portugal.

Recebida pelo programa Guimarães Acolhe - um consórcio que liga a câmara municipal, o Conselho Português para os Refugiados e um conjunto de instituições sociais do concelho -, esta família síria está entre os refugiados que atualmente tentam refazer a vida na cidade que viu Portugal nascer. Até à chegada, ontem, dos primeiros 24 elementos da etnia yazidi (ver texto principal), tinham passado já por este programa vimaranense 43 refugiados, dos quais se mantêm 20 (os outros deixaram o país, ao abrigo do abandono voluntário, a maioria para reencontrarem familiares noutros pontos da Europa).

A família de Aesha e Bashar é uma exceção no perfil-tipo dos imigrantes recebidos em Guimarães, como frisa Sandra Rodrigues, uma das técnicas que acompanham a integração destes refugiados na comunidade local. "Na maioria, são casos de jovens isolados, do género masculino, com escolaridade básica e média", refere ao DN.

Casos como o de Mohammed Keneby, de 22 anos, aspirante a futebolista e "fã de Cristiano Ronaldo" que escapou às perseguições étnicas e religiosas na República Centro-Africana, mas perdeu o pai e um irmão, enquanto a mãe teve de voltar para o Senegal. Ou como o de Michael, enfermeiro eritreu de 29 anos que fugiu à repressão militar.

Em Guimarães há um ano, Mohammed e Michael estão já a trabalhar como empregados de restauração. Aesha e Bashar, que chegaram apenas em novembro passado, ainda esperam que se abra uma porta profissional, mas nem isso os impede de voltar a sorrir em segurança.

Em quase todos os casos, Portugal (e Guimarães) surgiu como um destino inesperado: Michael pensava na Holanda, onde moram alguns irmãos; Aesha e Bashar apontavam à Suécia, país já com uma considerável comunidade síria. Mas, agora, garantem estar gratos pela forma como têm sido acolhidos num país onde voltaram a aprender a "viver" e não apenas sobreviver. Mesmo que os planos ainda se limitem a "um dia de cada vez".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?