Rede do ouro: inspetor da PJ condenado a 5 anos de prisão

Coletivo de juízes condenou os principais arguidos num processo de fraude fiscal no negócio do ouro

O Tribunal de Almada condenou hoje os principais arguidos, incluindo um inspetor da Polícia Judiciária, num processo de fraude fiscal no negócio do ouro, a penas de prisão efetiva de cinco a dez anos.

Na leitura do acórdão do julgamento, realizado no Tribunal do Seixal por razões logísticas, o coletivo de juízes condenou o inspetor da PJ de Setúbal João de Sousa a uma pena de prisão efetiva de cinco anos e seis meses, pelos crimes de corrupção passiva, recebimento ilícito de vantagem e violação de segredo de funcionário, tendo absolvido o arguido dos crimes de denegação de justiça e prevaricação e de associação criminosa.

O arguido Paulo Martinho, proprietário de várias lojas de ouro na Margem Sul do Tejo, foi condenado a dez anos de prisão (a pena mais elevada aplicada pelo Tribunal de Almada neste caso) pelos crimes de fraude fiscal, branqueamento, corrupção ativa e falsificação. As arguidas Florbela Gaspar e Maria Celeste Rodrigues foram condenadas a penas de prisão de sete anos e meio e cinco anos, respetivamente, pelos crimes de branqueamento agravado, fraude fiscal, corrupção ativa e falsificação.

O arguido Rui Faria foi condenado a cinco anos e meio de prisão pelos crimes de branqueamento e fraude fiscal, tendo sido absolvido do crime de associação criminosa, acusação que o tribunal deixou cair para os mais de 30 arguidos no processo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.