Recordação de episódio da infância terá estado na origem do triplo homicídio

Paulo da Cruz, de 41 anos, matou mãe, pai e avó e depois suicidou-se. Tinha estado emigrado no Luxemburgo e regressado há alguns meses

A recordação de um episódio de infância terá estado na origem do triplo homicídio seguido de suicídio ocorrido na quinta-feira em Faíscas, Arazede, Montemor-o-Velho, de acordo com o relato de uma testemunha que estava na casa onde ocorreram os assassinatos.

Paulo da Cruz, de 41 anos, assassinou a tiro o pai (de 70 anos), a mãe (de 64) e a avó, suicidando-se em seguida.

"A balbúrdia começou quando a mãe do Paulo contou que ele quando era criança degolou cinco pintainhos com uma lâmina", disse José Gonçalves que juntamente com a mulher e a filha de oito anos estavam a lanchar com o alegado homicida (Paulo da Cruz) e com a mãe, pai e avó deste (que foram assassinados no exterior da casa, num pátio traseiro).

José Gonçalves e a família tinham sido convidados por Paulo da Cruz para um lanche ajantarado em casa deste.

"Começou então uma enorme discussão e o Paulo, depois de várias discussões com o pai e de lhe ter dado uma cabeçada, terá ido ao quarto buscar a caçadeira (com que matou a família)", disse ainda a testemunha.

José Gonçalves contou que viu Paulo disparar em direção ao pai e que aí fugiu com a mulher para a sua casa, com o objetivo de se proteger assim como à sua família. "Depois disso não sei de mais nada", explicou.

Durante a noite e ao longo da manhã vários populares têm estado reunidos nas imediações da casa onde ocorreram os crimes. A Polícia Judiciária esteve também durante a noite e durante parte da manhã na recolha de indícios criminais.

A GNR entrou dentro desta habitação às 05:10 de hoje e deparou-se com a existência de quatro cadáveres.

Emigrado no Luxemburgo, o alegado homicida terá regressado a Arazede há alguns meses. Os pais tinham também sido emigrantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.