Recordação de episódio da infância terá estado na origem do triplo homicídio

Paulo da Cruz, de 41 anos, matou mãe, pai e avó e depois suicidou-se. Tinha estado emigrado no Luxemburgo e regressado há alguns meses

A recordação de um episódio de infância terá estado na origem do triplo homicídio seguido de suicídio ocorrido na quinta-feira em Faíscas, Arazede, Montemor-o-Velho, de acordo com o relato de uma testemunha que estava na casa onde ocorreram os assassinatos.

Paulo da Cruz, de 41 anos, assassinou a tiro o pai (de 70 anos), a mãe (de 64) e a avó, suicidando-se em seguida.

"A balbúrdia começou quando a mãe do Paulo contou que ele quando era criança degolou cinco pintainhos com uma lâmina", disse José Gonçalves que juntamente com a mulher e a filha de oito anos estavam a lanchar com o alegado homicida (Paulo da Cruz) e com a mãe, pai e avó deste (que foram assassinados no exterior da casa, num pátio traseiro).

José Gonçalves e a família tinham sido convidados por Paulo da Cruz para um lanche ajantarado em casa deste.

"Começou então uma enorme discussão e o Paulo, depois de várias discussões com o pai e de lhe ter dado uma cabeçada, terá ido ao quarto buscar a caçadeira (com que matou a família)", disse ainda a testemunha.

José Gonçalves contou que viu Paulo disparar em direção ao pai e que aí fugiu com a mulher para a sua casa, com o objetivo de se proteger assim como à sua família. "Depois disso não sei de mais nada", explicou.

Durante a noite e ao longo da manhã vários populares têm estado reunidos nas imediações da casa onde ocorreram os crimes. A Polícia Judiciária esteve também durante a noite e durante parte da manhã na recolha de indícios criminais.

A GNR entrou dentro desta habitação às 05:10 de hoje e deparou-se com a existência de quatro cadáveres.

Emigrado no Luxemburgo, o alegado homicida terá regressado a Arazede há alguns meses. Os pais tinham também sido emigrantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.