37 mil reclamações no 1.º semestre. Meo lidera

Anacom recebeu mais 17% de reclamações do que no período homólogo de 2016

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) recebeu no primeiro semestre 37,3 mil reclamações, mais 17% do que no período homólogo de 2016, sendo a Meo o operador de telecomunicações com maior número de reclamações, divulgou hoje o regulador.

Em comunicado, a Anacom refere que, do total de reclamações, a maior parte (30,5 mil) correspondem a comunicações eletrónicas, o que representa mais 13,5% do que no mesmo semestre do ano anterior.

Nos primeiros seis meses do ano, "a Meo foi o operador mais reclamado, sendo responsável por 38,5% das reclamações recebidas pela Anacom", adianta o regulador, acrescentando que a NOS segue em segundo lugar, "com 36,2%", enquanto a Vodafone Portugal reúne quase um quinto das mesmas (19,6%).

Já a NOWO registou 4,2% das reclamações.

"Em todos os casos, a 'venda do serviço' e o 'cancelamento do serviço' estão entre os assuntos mais reclamados, representando 14,8% e 13,8% das reclamações, respetivamente", refere a Anacom.

A 'alteração das condições contratuais pelo operador', que representa 7,3% das reclamações, foi outro dos assuntos cujas reclamações mais subiram (+58,5%).

O regulador adianta que os serviços em pacote foram a oferta mais reclamada entre janeiro e junho, representando 28,4% das reclamações, seguido do serviço telefónico móvel, com 24,9%.

"Além de registarem o maior volume de reclamações, os pacotes de serviços apresentavam também a maior taxa de reclamações (2,4 reclamações por mil clientes), e a única que se encontrava acima da média - 2,1 reclamações por mil clientes", refere.

A NOWO (antiga Cabovisão) e a NOS (operadora que resultou da fusão da Optimus com a Zon) "registaram taxas de reclamações superiores à méia no período em análise, 6,1 e três reclamações por mil clientes, respetivamente; seguindo-se a Meo, com 1,9 reclamações; e a Vodafone, com 1,4 reclamações por mil clientes".

Entre os restantes operadores de maior dimensão, "a NOS foi o único prestador que viu a sua taxa de reclamações diminuir face ao semestre homólogo".

No semestre, "registaram-se 5.435 reclamações sobre serviços postais, 14,6% do total de reclamações recebido pela Anacom, mais 26,5% face ao período homólogo".

O regulador adianta que os CTT são o prestador dos serviços postais mais reclamado, com 92% das reclamações, seguidos dos CTT Expresso, com 4,5%.

"Cerca de 45% das reclamações registadas no primeiro semestre estão associadas a problemas na distribuição de envios postais. Os assuntos mais reclamados foram o 'atendimento' (22,6%), o 'extravio/atraso significativo' (14,6%) e a 'falta de tentativa de entrega ao destinatário' (12%)", aponta.

As reclamações sobre os serviços da sociedade da informação [subscrição de serviços ou conteúdos digitais pela Internet], apesar de representarem apenas 3% do total, têm registado um aumento muito expressivo, subindo de 386 em 2016 para 1.129 reclamações no primeiro semestre deste ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.