37 mil reclamações no 1.º semestre. Meo lidera

Anacom recebeu mais 17% de reclamações do que no período homólogo de 2016

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) recebeu no primeiro semestre 37,3 mil reclamações, mais 17% do que no período homólogo de 2016, sendo a Meo o operador de telecomunicações com maior número de reclamações, divulgou hoje o regulador.

Em comunicado, a Anacom refere que, do total de reclamações, a maior parte (30,5 mil) correspondem a comunicações eletrónicas, o que representa mais 13,5% do que no mesmo semestre do ano anterior.

Nos primeiros seis meses do ano, "a Meo foi o operador mais reclamado, sendo responsável por 38,5% das reclamações recebidas pela Anacom", adianta o regulador, acrescentando que a NOS segue em segundo lugar, "com 36,2%", enquanto a Vodafone Portugal reúne quase um quinto das mesmas (19,6%).

Já a NOWO registou 4,2% das reclamações.

"Em todos os casos, a 'venda do serviço' e o 'cancelamento do serviço' estão entre os assuntos mais reclamados, representando 14,8% e 13,8% das reclamações, respetivamente", refere a Anacom.

A 'alteração das condições contratuais pelo operador', que representa 7,3% das reclamações, foi outro dos assuntos cujas reclamações mais subiram (+58,5%).

O regulador adianta que os serviços em pacote foram a oferta mais reclamada entre janeiro e junho, representando 28,4% das reclamações, seguido do serviço telefónico móvel, com 24,9%.

"Além de registarem o maior volume de reclamações, os pacotes de serviços apresentavam também a maior taxa de reclamações (2,4 reclamações por mil clientes), e a única que se encontrava acima da média - 2,1 reclamações por mil clientes", refere.

A NOWO (antiga Cabovisão) e a NOS (operadora que resultou da fusão da Optimus com a Zon) "registaram taxas de reclamações superiores à méia no período em análise, 6,1 e três reclamações por mil clientes, respetivamente; seguindo-se a Meo, com 1,9 reclamações; e a Vodafone, com 1,4 reclamações por mil clientes".

Entre os restantes operadores de maior dimensão, "a NOS foi o único prestador que viu a sua taxa de reclamações diminuir face ao semestre homólogo".

No semestre, "registaram-se 5.435 reclamações sobre serviços postais, 14,6% do total de reclamações recebido pela Anacom, mais 26,5% face ao período homólogo".

O regulador adianta que os CTT são o prestador dos serviços postais mais reclamado, com 92% das reclamações, seguidos dos CTT Expresso, com 4,5%.

"Cerca de 45% das reclamações registadas no primeiro semestre estão associadas a problemas na distribuição de envios postais. Os assuntos mais reclamados foram o 'atendimento' (22,6%), o 'extravio/atraso significativo' (14,6%) e a 'falta de tentativa de entrega ao destinatário' (12%)", aponta.

As reclamações sobre os serviços da sociedade da informação [subscrição de serviços ou conteúdos digitais pela Internet], apesar de representarem apenas 3% do total, têm registado um aumento muito expressivo, subindo de 386 em 2016 para 1.129 reclamações no primeiro semestre deste ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.