Reclamações de empresas ao concurso da 2.ª Circular podem atrasar obras

Câmara Municipal diz que o júri do concurso público está a analisar as queixas apresentadas pelas empresas concorrentes

As obras de requalificação da 2.ª Circular, em Lisboa, ainda agora começaram e já há a ameaça de derraparem nos prazos. Isto porque três das 27 empresas que concorreram à adjudicação da intervenção entre o nó da Buraca e o aeroporto apresentaram reclama- ções ao concurso público, que estão neste momento a ser analisadas pelo júri. Em causa estão alegados erros no relatório preliminar que determina que a proposta da Construções Pragosa é a mais vantajosa.

A segunda fase das obras de requalificação da 2.ª Circular deveria arrancar no dia 1 de agosto, mas o processo está neste momento estagnado, existindo o risco de ter de ser feito um novo relatório. Ao que o DN soube, três concorrentes - o agrupamento Opway e Cordivias, o agrupamento Lena e Protecnil e a Alberto Couto Alves e Tomás de Oliveira - estão a reclamar o primeiro lugar na classificação do júri alegando que existem falhas no relatório preliminar.

De acordo com o documento, a proposta "economicamente mais vantajosa para a entidade adjudicante" é a da Construções Pragosa, cujo valor da obra é de cerca de nove milhões de euros (mais IVA), com um prazo de execução de 242 dias. Este valor, lê-se no relatório, é cerca de 19,99% inferior ao preço-base de consulta (aproximadamente 11,3 milhões de euros mais IVA).

Após a publicação das conclusões, seguiu-se uma audiência prévia para que os concorrentes se pronunciassem em cinco dias. Uma das reclamações das empresas que concorreram aponta para trocas nas pontuações, que podem pôr em causa o primeiro lugar. Resta ao júri analisar essa e outras queixas e rever aquilo que considerar necessário. Se vier a existir uma alteração no primeiro classificado do concurso, terá de existir uma nova audiência prévia.

Construtoras dizem que há erros no relatório preliminar

Ao DN, a Câmara Municipal de Lisboa disse que "foram apresentadas reclamações em fase de audiência prévia da decisão de adjudicação, as quais estão a ser apreciadas pelo júri de concurso. Concluída a análise, será dada resposta aos reclamantes seguindo-se a decisão de adjudicação. A fase de audiência prévia destina-se à apresentação de eventuais reclamações e decisão sobre as mesmas. Trata--se de uma fase obrigatória em qualquer concurso público e que faz parte da sua tramitação normal."

Críticas no arranque das obras

A primeira fase das obras da 2.ª Circular começou na segunda-feira, entre o troço do nó do Ralis e a Avenida de Berlim, tendo um prazo máximo de execução de três meses. Em agosto, estava previsto arrancar a segunda fase entre o nó da Buraca e o aeroporto, cujo prazo de execução é de oito meses.

As obras avançaram debaixo de críticas, pois há várias empreitadas a acontecer em diferentes zonas da cidade. Ao DN, a Ordem dos Engenheiros disse temer o caos no trânsito, enquanto o Automóvel Clube de Portugal assumiu estar a estudar juridicamente o que fazer contra a Câmara Municipal de Lisboa. O problema está a agravar-se, pois o programa da autarquia está com atrasos e há obras que já deveriam ter terminado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.