Rapaz suspenso por ter ajudado colega com ataque de asma

Jovem ajudou colega com ataque de asma na sala de aula. Professora disse para ninguém se mexer enquanto esperava resposta da enfermeira

Anthony Ruelas, 15 anos, foi suspenso por dois dias do liceu, no Texas (EUA), depois de ter ajudado uma colega de sala que estava a ter um ataque de asma. Segundo a NBC, citada pelo Washington Post, a professora deu ordens para que ninguém que se levantasse enquanto esperava a resposta da enfermeira da escola sobre o que fazer.

Mas o jovem de 15 anos desrespeitou as ordens da professora quando a colega caiu com a falta de ar. Naquele momento Anthony Ruelas decidiu que não podia esperar mais e levantou-se para levar a rapariga para o gabinete da enfermagem, onde esta poderia receber ajuda. No momento terá dito "não vou esperar mais pelo email da enfermeira", segundo o relatório que a professora fez do incidente.

Como recompensa foi informado que seria suspenso das aulas por dois dias. "Vou ser suspenso por isto? Só estava a tentar ajudá-la", disse o rapaz aos meios de comunicação locais. Segundo o Washington Post o relatório elaborado pela professora corresponde à descrição do que o jovem contou sobre o que se passou na aula.

Anthony já tinha sido suspenso anteriormente. Quando a mãe foi informada do novo castigo, pensou que a culpa seria do filho. Mas quando lhe contaram o motivo por que saiu da sala de aula Mandy Cortes disse estar muito orgulhosa do filho. "Para mim ele é um herói. Pode não seguir sempre as regras, mas tem um coração enorme", afirmou a mãe.

A rapariga que Anthony ajudou mandou-lhe uma mensagem a dizer que está bem. Questionado sobre se voltaria a fazer o mesmo, o rapaz de 15 anos não mostrou dúvidas: "claro".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.