Quintas do Tejo e do Alentejo mostram as novidades sem esquecer os ex-líbris

Herdade do Esporão quer produzir só vinhos biológicos em três anos e Quinta da Alorna prepara vinho especial para os 300 anos da sua existência. Quinta da Ravasqueira é um produtor recente, mas já dá cartas no enoturismo. E todos apostam no vinho reserva.

O Alentejo é uma das regiões vinícolas mais apreciadas do país, onde a modernidade e a tradição convivem em harmonia. A Herdade do Esporão, em Reguengos de Monsaraz - segunda paragem da TAP Wine Tour, que está a dar a conhecer regiões vinícolas a especialistas de vários países -, é um desses exemplos: uma das mais importantes e tradicionais casas de vinho nacional aposta tudo em conseguir uma produção totalmente biológica (para a marca Esporão) nos próximos três anos, anuncia o diretor de enologia, David Baverstock. Neste momento, a marca tem já um branco e um tinto produzidos totalmente em modo biológico.

"Para já, é uma vontade de querer ser mais sustentável e respeitar mais os solos e a natureza. Mas queremos acreditar que a qualidade do vinho também vai melhorar", explica David Baverstock, um australiano em Portugal há 35 anos. A herdade, que produz vinhos desde 1973, tem visto o seu empenho reconhecido. Ganhou, em 2014, os European Business Awards for the Environment, na categoria de produtos e serviços.

Mas ao mesmo tempo que procura um futuro mais sustentável, o Esporão não deixa cair as suas joias da coroa, que também apresentou aos jornalistas: o reserva tinto e o reserva branco. O primeiro elegante e intenso, o segundo frutado e equilibrado.

A marca Esporão pode ser encontrada em lojas e restaurantes de mais de 50 países.

No Tejo, a Quinta da Alorna (Almeirim) orgulha-se dos seus brancos, já premiados, mas antecipa que está a preparar um tinto especial para os 300 anos da casa, em 2023. Até lá ganha fama com o branco Marquesa de Alorna Grande Reserva, escolha da imprensa dos prémios Escolhas. Tanto o reserva branco como o tinto têm uma particularidade: só saem em anos cuja qualidade justifica.

Também aqui a sustentabilidade é uma aposta forte, principalmente no uso de energias renováveis, explica Pedro Lufinha, diretor-geral da Quinta da Alorna. Tal como a internacionalização: metade dos 1,8 milhões de garrafas produzidas anualmente são para exportar.

No total, 28 países oferecem vinhos Quinta da Alorna, propriedade da Marquesa de Alorna, uma mulher à frente do seu tempo.

Além dos clássicos tinto, branco e rosé, a Quinta da Alorna destaca na sua produção a Colheita Tardia, que dá um toque licoroso a este vinho de cor rubi com apontamentos de especiarias e erva menta.

O outro destaque vai para o Quinta da Alorna Abafado 5 anos. De cor aloirada, os seus apontamentos de frutos secos acompanham bem com outro ex-líbris nacional, o pastel de nata, sugere Verónica Oliveira, responsável da qualidade da Quinta.

Ainda jovem na liga dos produtores de vinho, a Quinta da Ravasqueira, em Arraiolos, já entrou para a elite. Por ano, são produzidas dois milhões de garrafas, nesta quinta alentejana, que até 2002, quando começou a produzir vinho, era essencialmente conhecida pela criação de cavalos lusitanos.

"Era a nossa principal atividade. Agora também temos muito orgulho nos nossos vinhos e no nosso enoturismo", sublinha Mário Gonzaga, do enoturismo da Ravasqueira.

Nos 45 hectares de vinha são cultivadas 16 castas que compõem os vinhos da marca. Entre eles está o recente Reserva da Família branco, lançado há duas semanas. Recente é também a mudança de logo; é o rebrand da marca.

Quem visita a Ravasqueira, cujo enoturismo funciona todos os dias da semana, frisa Mário Gonzaga, também pode visitar o museu de coches propriedade da família. São 37 exemplares, entre modelos históricos, únicos e típicos do Alentejo. O responsável do enoturismo lembra ainda que "no restaurante servimos comida tipicamente alentejana que combinamos com os nossos vinhos, em harmonia".

A jornalista viajou a convite da TAP

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.