Químicos dos cosmésticos e da alimentação podem causar asma

Além da exposição ao tabaco e à poluição, há outros fatores de risco

Especialistas em pneumologia alertaram hoje que não só o tabaco e a poluição ambiental provocam ou agravam a asma, mas também os produtos químicos presentes em cosméticos e pesticidas utilizados na manipulação de alimentos.

A asma tem sido um dos temas abordados nas Jornadas de Pneumologia, organizadas pela Sociedade Catalã de Pneumologia da Academia de Ciências Médicas da Catalunha, que decorrem hoje e sábado no Centro Internacional de Negócios de Badalona, em Barcelona, Espanha.

Maribel Casas, do Instituto de Saúde Global (ISGlobal) de Barcelona, observou a influência cada vez mais forte dos fatores ambientais no desenvolvimento e no controlo da asma.

Até agora, segundo a pneumologista, tem-se estudado em profundidade os efeitos da exposição ao tabaco e à poluição ambiental, mas existem outros fatores de risco ambiental menos conhecidos, mas que também podem contribuir para o aumento da doença, disse Maribel Casas.

"Não falamos só de poluição, mas também da manipulação de alimentos", salientou a especialista.

Advertiu também para as substâncias químicas que estão presentes no dia-a-dia em produtos como os pesticidas, cosméticos, nos recipientes de plástico que acondicionam os alimentos e bebidas, que têm capacidade de afetar o sistema respiratório.

A pneumologista advertiu ainda para os riscos da exposição a estas substâncias "nos primeiros anos de vida, porque os pulmões estão a formar-se e é particularmente suscetível a exposições ambientais adversas".

Compreender a origem da asma é um dos desafios que a comunidade científica deve enfrentar, porque só assim se poderão definir políticas de saúde para prevenir o desenvolvimento da doença, defendeu.

Nas Jornadas de Pneumologia participam 350 especialistas que durante os dois dias irão debater vários temas, como os transplantes.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.