Quercus pediu a Ministério lista das escolas com amianto

É obrigatório por lei, desde 2011, identificar a totalidade dos materiais com amianto

A Quercus pediu ao Ministério da Educação o ponto da situação sobre as intervenções mas escolas com amianto, alertando para o facto de aquela substância não estar presente apenas nas coberturas de fibrocimento.

Poucos dias depois do arranque de mais um ano letivo, a direção nacional da Quercus solicitou "o número de intervenções realizadas e por realizar para a manutenção e remoção de materiais e equipamentos nos respetivos edifícios e o plano de monitorização adotado para controlar a exposição dos trabalhadores e utilizadores dos espaços escolares ao risco de exposição ao amianto".

A Associação Nacional de Conservação da Natureza recorda que, desde 2011, é obrigatório por lei identificar a totalidade dos materiais com amianto, assim como promover análises a concentrações de fibras respiráveis, avaliar o risco de exposição e sinalizar situações prioritárias definindo medidas para prevenir ou minimizar a exposição, com a emissão de um plano de ação para o amianto.

"No caso de o Ministério da Educação os materiais identificados correspondem apenas às coberturas em fibrocimento, claramente insuficiente na medida em que foram incorporadas fibras de amianto em outros materiais, como pavimentos e tubagens, sendo esta sinalização apenas o primeiro ponto de todos os procedimentos necessários", alerta a associação em comunicado.

Apesar do comprovado risco das fibras e da relação entre a sua exposição e o desenvolvimento de cancro (mesotelioma, cancro do pulmão, cancro do ovário, cancro da laringe ou cancro do estômago), a Quercus diz que em Portugal continua a ser desconhecida a sua utilização, "apesar da obrigação para a sua identificação nos locais de trabalho".

Segundo a associação, o amianto teve uma utilização comum, que vai desde as condutas, depósitos e tanques para fornecimento e armazenamento de água, coberturas, revestimentos de tetos e paredes, chaminés, pavimentos, armários, casa pré-fabricadas, tubagens para ventilação, fitas de estore e até eletrodomésticos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.