"Quem presta cuidados tem sobrecargas enormes"

A propósito do Dia do Cuidador, a presidente Associação Portuguesa de Psicogerontologia falou do possível estatuto que pode ser criado para quem cuida e das reservas que tem em relação ao tema.

Maria João Quintela acha que devem ser criados perfis de cuidadores e que seja tratado no plural, lembrando que quem é cuidado também tem direitos.

Está à espera das novidades que o estatuto do cuidador informal possa trazer?

Espero que as novidades possam ajudar a esclarecer o que se entende por cuidador. Tenho muita dificuldade em definir o termo cuidador e encontrar um estatuto do cuidador. Em primeiro lugar e acima de tudo, porque são maioritariamente cuidadoras e, portanto, o estatuto no masculino tem de ficar muito bem definido. Era muito importante encontrar o perfil ou os perfis de quem cuida e sobretudo não encontrar um perfil de cuidador apenas para os mais velhos.

Um estatuto simplesmente para quem cuida?

Ninguém pergunta aos pais quem é o cuidador do filho, mas pode perguntar quem é cuidador do pai. Também tenho muitas reservas porque a definição transforma num estereótipo alguém que cuida em múltiplas circunstâncias, em diversos ambientes, com diversos estatutos, com diferentes recursos, com diferentes enquadramentos profissionais. Temos cuidadores familiares, que são família e não percebo porque não se hão de chamar família. Há que esclarecer que tipos de cuidados é que são prestados. Também temos que reconhecer que o principal cuidador somos nós, cuidadores de nós próprios. O importante é reconhecer que quem presta cuidados tem sobrecargas enormes pessoais, físicas, morais, psicológicas, financeiras, e, portanto, é necessário perceber quais são as necessidades.

Uma das maiores necessidades é ter uma rede de apoio?

Neste momento, a maior dificuldade para quem cuida, muitas vezes é saber onde se dirigir, onde se pode apoiar. Neste aspeto a rede de instituições de solidariedade funciona de forma muito próxima, o que é indispensável. Interessa que haja serviços próximos dos cidadãos, na comunidade, o mais carinhosos possível, o mais defensores do respeito pela individualidade, pela privacidade, pela integridade. As instituições de solidariedade, por exemplo, estão nos sítios onde não chegam os grandes hospitais, ajudam as famílias e podem ajudar muito na formação às famílias, na capacitação de cuidar. Chamem-lhe cuidador, cuidadoras, cuidadores no plural - eu prefiro -, porque de facto não há um perfil do cuidador, há perfis de cuidadores, e é bom que haja, porque isso é que se adapta. Mesmo que emigre eu posso cuidar, posso sempre encontrar uma forma de cuidar.

Fala-se muito dos cuidadores, mas quem é cuidado também tem direitos.

Isto é tudo muito mais amplo, é reconhecer o valor de quem cuida, as necessidades de quem cuida, encontrar formas do Estado e da sociedade reconhecerem esse valor, mas sem se esquecerem de reconhecer o valor de quem é cuidado, que tem o direito de manter a sua dignidade, os seus bens e as vontades. É preciso refletir sobre isto, não é fácil, mas é preciso.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?