Queda de teto obriga a transferir doentes do hospital São José

Os doentes internados foram transferidos para serviços próximos e não há registo de feridos

Vários doentes que se encontravam no internamento de cirurgia do Hospital de São José, em Lisboa, foram transferidos após a queda da parte de um teto num corredor, que não causou feridos nem obrigou a adiamento de cirurgias.

De acordo com fonte desta unidade de saúde, que pertence ao Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC), a cedência de parte do teto de placas ocorreu na terça-feira, no corredor do serviço de cirurgia do hospital.

A cedência das placas do teto deveu-se "à pressão exercida por cablagem vária que se desprendera das vigas de sustentação" e ocorreu "numa hora em que ninguém, profissional ou utente, se encontrava a transitar", adiantou a mesma fonte.

Por precaução, a instituição determinou "a transferência de alguns doentes internados para serviços próximos e a desativação daquela área pelo tempo estritamente necessário à reconstrução do teto".

As obras já estão a decorrer, mas a administração do CHLC não adianta para já uma data para a sua conclusão, tendo em conta as dificuldades de intervenções em unidades como o Hospital de São José, que é uma instituição secular.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.