Queda de grua em Lisboa faz um morto. Inspeção vai abrir inquérito

O trabalhador de 37 anos que operava a grua acabou por morrer no hospital. Um dos edifícios da EDP no Marquês de Pombal teve de ser evacuado

Um homem morreu na queda de uma grua na Avenida Duque de Loulé, em Lisboa. O trabalhador de 37 anos que operava a máquina foi retirado do local em estado grave e acabou por morrer no Hospital de São José. A Autoridade para as Condições do Trabalho já confirmou ao DN que vai abrir um inquérito.

O acidente aconteceu pouco depois das 15.30, quando o braço e a cabine de uma grua de uma obra da HCI Construções caíram sobre três edifícios ao lado, já na rua Camilo Castelo Branco. O braço caiu sobre um prédio ocupado pela EDP, que teve de ser evacuado, e a cabine caiu sobre outro, com o trabalhador que a operava no interior.

O homem, que estava inconsciente quando foi resgatado, estabilizado e transportado para o Hospital de São José, acabou por morrer nas urgências. Segundo fonte do centro hospitalar, deu entradas às 17.21, entrou em paragem cardiorrespiratória e apesar das manobras de reanimação não resistiu aos ferimentos.

Na imagem é possível ver a parte vertical da grua intacta, mas a cabine caída em cima do edifício ao lado das obras

Segundo Carlos Bispo, do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, foi difícil chegar ao trabalhador: a equipa de socorro recebeu o alerta às 15.50 e só conseguiu retirá-lo da cabine às 16.30.

A operação obrigou ao corte do trânsito nos dois sentidos na Duque de Loulé e a avenida "vai ficar fechada até amanhã, pelo menos, nos dois sentidos", informou Pedro Barbosa, da Proteção Civil - é ainda necessário desmantelar o braço e a grua, "estando a caminho do local duas gruas para o fazerem". No local estiveram 17 veículos entre bombeiros, PSP e INEM e 50 operacionais.

Carlos Duarte, um trabalhador da EDP, estava dentro do edifício sobre o qual caiu parte da grua - o único dos três afetados pelo acidente que está ocupado. "Aquilo abanou tudo, tremeu e de que maneira, foi impressionante. Viemos todos à janela, havia muito pó." O prédio, onde trabalham cerca de 300 pessoas, foi imediatamente evacuado.

Fonte da empresa disse à Lusa que "estavam pessoas a trabalhar na altura do acidente, mas não há danos graves a registar".

Aquilo abanou tudo, tremeu e de que maneira, foi impressionante

As causas do acidente estão por apurar, mas a equipa de fiscalização de obras de Lisboa vai ajudar a remover a grua e investigar o caso, avançou Carlos Bispo. A Autoridade para as Condições do Trabalho confirmou ao DN que vai abrir um inquérito, tal como faz sempre que há um acidente de trabalho. Este ano, já morreram 50 pessoas em acidentes de trabalho e 82 ficaram gravemente feridas.

A empresa responsável pela obra é a HCI Construções, que, contactada pelo DN, não quis ainda prestar declarações.

Com Ana Bela Ferreira e Patrícia Jesus

Exclusivos