Qual é a vantagem da energia de fusão?

Quatro respostas para ajudar a entender o projeto europeu ITER (ou caminho)

O que é a fusão nuclear?

É o processo que ocorre no interior do Sol e das outras estrelas e que gera a sua energia. Os núcleos de átomos leves entrechocam-se a altas temperaturas e fundem-se, formando núcleos mais pesados e libertando uma enorme quantidade de energia.

O que é o ITER?

É um dos maiores projetos internacionais de sempre. A sigla significa International Thermonuclear Experimental Reactor, e também caminho, em latim. O objetivo é mostrar que é possível reproduzir o mecanismo da energia das estrelas nesse reator experimental. Uma vez construído, será o maior de sempre do seu tipo. O ITER terá de demonstrar também que o processo é seguro e capaz de produzir energia transformável em eletricidade para poder ser usada.

Como vai funcionar o reator experimental?

Para a fusão acontecer no reator, que tem a forma de um anel e é hermeticamente fechado, é necessário produzir lá dentro um plasma - um estado da matéria semelhante ao gás e composto por uma mistura de partículas neutras e eletricamente carregadas. Esse plasma, que fica confinado por poderosos magnetos para evitar a dispersão das partículas, tem de ser aquecido a temperaturas muito altas, da ordem dos 150 milhões de graus Célsius, como acontece no interior do Sol, para poder ocorrer a fusão. O ITER vai usar dois isótopos (formas) de hidrogénio: o deutério, que se extrai facilmente da água, e o trítio, que é gerado na reação de fusão, no contacto com o lítio. Quando o deutério e o trítio se fundem, produzem um núcleo de hélio, um neutrão e uma enorme quantidade de energia.

Qual é a vantagem da energia de fusão?

Tem potencial para ser a alternativa energética do futuro, porque é virtualmente inesgotável. Os cálculos mostram que 150 kg de deutério e duas a três toneladas de trítio são suficientes para gerar eletricidade durante um ano para um milhão de pessoas.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.