Qual a função do Banco de Portugal? 55% não fazem ideia

A maioria dos portugueses não está informada sobre organizações nacionais e internacionais, revela um estudo da Deco. E desconfiam delas

Banco de Portugal: 55% dos portugueses não sabem qual a função desta instituição, segundo um estudo da Deco, que revela a ignorância existente acerca de instituições nacionais e internacionais sobre as quais ouvem falar diariamente ou com que têm de lidar diretamente.

"Metade dos inquiridos não sabe se os bancos privados podem pedir dinheiro emprestado ao Banco Mundial e se uma das tarefas desta entidade é supervisionar as agências de rating. Perto de metade (47%) não sabe se a OMS é financiada pela indústria farmacêutica (não é) e 45% desconhecem se o FMI só inclui países do mundo ocidental (não, também inclui nações como a China e a Arábia Saudita)", exemplificam os autores.

A grande maioria dos inquiridos diz-se pouco conhecedora da estrutura, da missão e das atividades das instituições analisadas. Apenas 23% estão informados dos seus direitos enquanto utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e perto de metade não saberia queixar-se de um erro médico.

46% não sabem como fazer uma queixa relacionada com o SNS, segundo este estudo que é hoje apresentado em Lisboa num encontro sobre "A qualidade da democracia e a confiança nas instituições". 57% das pessoas julgam que o FMI é uma organização com fins lucrativos. E 39% acreditam que alguns deputados do Parlamento Europeu são nomeados pelo governo do Estado-membro.

Com poucos conhecimentos sobre estas e outras instituições, os portugueses pouco confiam nelas e na sua autonomia, indica o estudo.

Entidades como o FMI, o Banco de Portugal ou o Banco Mundial aparecem mesmo no fim da tabela de confiança dos portugueses, que mostram desconfiar da autonomia destas instituições "em relação a grupos económicos, governos e forças políticas".

"Esta desconfiança é particularmente notória na forma como os portugueses olham para o Banco de Portugal e para o Banco Mundial. As duas entidades bancárias que estão nos últimos lugares do ranking da confiança causam descrença praticamente a todos os níveis: independência, competência para supervisionar o sistema ou capacidade de promover o crescimento económico", refere o documento.

Segundo o estudo da Deco, no topo do ranking da confiança os inquiridos colocaram as forças armadas e a polícia, com uma apreciação que, numa escala de 0 a 10, não vai além dos 5,9. Os inquiridos revelam também níveis mais elevados de confiança na escola pública, na igreja católica, na RTP e nas câmaras municipais.

Confiar pouco é um sentimento que se estende as todas as entidades avaliadas, mesmo as que se podem considerar "teoricamente insuspeitas", como a Organização Mundial da Saúde (OMS).

"Metade dos inquiridos não acredita que esta agência das Nações Unidas seja imune a interesses de governos e da indústria farmacêutica", sublinha o estudo.

O estudo teve como base um questionário enviado a uma amostra da população entre os 30 e os 74 anos, proporcional aos residentes de Portugal Continental no que diz respeito ao género, idade e região. Na ponderação dos dados, manteve-se a proporcionalidade para estas variáveis e para o nível educacional. Foram recebidas 1.598 respostas válidas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)