PSP vai vigiar praxes e faculdades para evitar assaltos

É um novo programa da PSP para prevenir crimes e evitar praxes violentas em meio universitário. No Polo da Ajuda, em Lisboa, há institutos assaltados de dia

O Instituto Superior de Agronomia, na Tapada da Ajuda, em Lisboa, estende-se por 100 hectares de terreno, "tem por vizinhança alguns bairros como o Casalinho da Ajuda ou o 2 de Maio, e conta com poucos seguranças privados para controlar os acessos", denunciou o presidente da Associação de Estudantes do ISA (AEISA), ao DN. "Há dois dias, desconhecidos entraram no intervalo de uma aula e levaram computadores e tablets", contou João Pedro Gomes, acrescentando que "acontecem esporadicamente furtos a laboratórios, material eletrónico e computadores".

Esta é uma das faculdades do Polo da Ajuda que vai beneficiar do projeto piloto do programa Universidade Segura da PSP, que se inicia naquela zona sensível de Lisboa, onde os furtos e roubos são regulares. Através do patrulhamento específico em instituições do ensino superior, que arranca sexta-feira em Lisboa, a PSP vai também vigiar de perto a realização das praxes, tendo já pedido a associações de estudantes para estar presente em algumas. Também vai patrulhar os recintos universitários para, por exemplo, prevenir furtos, roubos, agressões, injúrias. O programa arrancará no Porto, Coimbra e Algarve daqui a uns meses, como adiantou ao DN o subintendente Hugo Guinote, coordenador do programa nacional "Escola Segura" (para os restantes tipos de ensino) e que também vai dirigir, a nível nacional, o "Universidade Segura".

No Instituto Superior de Agronomia, a falta de segurança é evidente. "Estamos inseridos no meio de vários bairros sociais e não temos cobertura total de videovigilância. O ano passado vandalizaram os campos da nossa equipa de râguebi e era frequente, há uns anos, ter 50 carros com vidros partidos à saída de uma festa do Instituto", adiantou João Pedro Gomes. Festas "também frequentadas por malta do Casalinho da Ajuda e do Casal Ventoso". O dirigente adiantou que esta semana a PSP esteve no ISA, por causa do Universidade Segura, a "dar uma palestra sobre a criminalidade no ensino superior". Já focada na prevenção de atos violentos na comunidade universitária, a PSP informou as faculdades nos contactos iniciais, realizados em abril e maio, de que gostaria de estar presente em algumas praxes e também festas universitárias, referiu Pedro Silva, presidente da Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina Veterinária de Lisboa. "Pretendiam estar presentes na nossa praxe, o que não considero necessário porque são talvez das mais calmas". A polícia pretende que as praxes sejam "seguras" e que os caloiros saibam que têm direitos, como explicou a PSP numa sessão de esclarecimento sobre o programa, na Faculdade de Arquitetura de Lisboa, no dia 15. A polícia também quer reduzir o número de crimes que acontecem de forma regular no meio universitário, como os de violação e devassa da vida privada ou injúrias.

O presidente da Associação Académica de Lisboa (AAL), João Pedro Louro, vê com "bons olhos esta parceria com a PSP". "Na zona onde está o Polo da Ajuda sempre houve grandes problemas de criminalidade. Temos ali muitos estudantes em regime pós laboral. Depois, os bairros vizinhos 2 de Maio e Casalinho da Ajuda estão ligados a alguns crimes". Quanto às praxes, a AAL não "vê problemas em haver supervisão dessas atividades", embora considere que as que existem são "de integração e não de submissão".

Também a presidente da Associação de Estudantes do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), congratula-se com o maior policiamento garantido pela Universidade Segura.

"Não temos histórico de praxes violentas no ISCSP mas damos a informação à PSP sobre a realização das mesmas porque temos de zelar pelo bem estar dos alunos. Como no nosso pós laboral há episódios de furtos e temos bairros sociais à volta, descansa-me termos um protocolo com a PSP", disse Sofia Domingues.

Até agora, a segurança em alguns campos universitários tem sido assegurada com o pagamento de gratificados à polícia. Na Cidade Universitária, em Lisboa, cujas faculdades ainda não estão abrangidas pelo projeto piloto, "a segurança que é ali feita pela PSP não é suficiente à noite, nomeadamente a partir as 19.00, no horário pós laboral, pelo que a reitoria tem conseguido manter o pagamento de gratificados à polícia para garantir equipas de dois turnos entre as 16.00 e as 24.00", adiantou ao DN um antigo responsável da Reitoria da UL. Perante este projeto da PSP a Reitoria tem agora a expectativa de que o "programa aproxime as universidades e as forças de segurança", disse ao DN fonte oficial da Reitoria.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.