PSP recusa fazer segurança paga na discoteca Luanda

Rixa à porta do clube fez um morto. Mas protocolo com a polícia não será reativado

A troca de tiros entre dois alegados grupos rivais que aconteceu ontem, pelas 6.20, a apenas 60 metros da porta da discoteca africana Luanda, em Alcântara (Lisboa), causou um morto e dois feridos. Mas a gravidade do que aconteceu na Travessa de Teixeira Junior, no momento em que "300 a 400 pessoas saíam da discoteca", não vai ser suficiente para o clube vir a ter serviço remunerado da PSP.

Segundo conta o gerente do Luanda, José Gouveia, já houve um protocolo entere a associação de discotecas de Lisboa e a PSP, em 2011, que previa serviços remunerados da polícia à porta de vários estabelecimentos noturnos, incluindo esta discoteca africana. Mas durou pouco tempo. "Há muita desunião no meio. O protocolo entre a polícia e as discotecas falhou porque houve incumprimento dos empresários, que começaram a deixar de pagar os serviços remunerados à PSP", recorda José Gouveia.

O incumprimento dos empresários teve uma resposta: a polícia deixou de fazer esses serviços. O gerente do Luanda garante que nada vai mudar por causa desta última rixa. "A PSP não quer fazer esse serviço porque não é obrigatório". A discussão sobre se devia ou não ser obrigatório é recorrente, lembra, "dado o número de pessoas que circulam nas áreas envolventes às discotecas e o facto de 70% dos problemas acontecerem à porta dos clubes".

José Gouveia apercebeu-se da rixa porque estava a fechar o estabelecimento, às 6.00 da manhã, no escritório, e tinha o sistema de videovigilância ligado quando viu "viu dezenas de pessoas que estavam a abandonar a discoteca a correrem de volta, para a porta de entrada".

Cerca de 300 a 400 pessoas estavam a sair do Luanda quando se ouviram tiros na rua, a 60 metros da porta do clube africano. José Gouveia garante não conhecer os jovens envolvidos na rixa. "Não sabemos ao certo se já havia uma espera programada para ali". O que o gerente sabe é que "a presença de um elemento policial à porta de qualquer espaço é dissuassora" e que os seus quatro seguranças privados "nunca poderiam agir no exterior da discoteca, enquanto um polícia pode".

Paulo Rodrigues, presidente da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP), lembra que "a polícia não tem condições para pôr agentes em cada bar ou discoteca". Os bares "podem ter segurança privada e videovigilância e deviam ser obrigados a ter o mínimo de segurança". Mas quando acontecem situações como a de ontem, junto ao Luanda, "há logo uma preocupação da PSP em reforçar o policiamento na zona, mesmo o que não é visível, assegurado pelas brigadas de investigação criminal". A esquadra do Calvário é perto do clube.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.