PSD: Suspensão das obras na Segunda Circular é uma "boa notícia"

Sociais-democratas alfacinhas exigem que o inquérito aberto pela autarquia seja acompanhado pela Assembleia Municipal

Uma "boa notícia" que "não se deve ao bom senso, mas à incompetência" do executivo camarário. É a reação do PSD à suspensão das obras na Segunda Circular, avançada pelo DN e anunciada em conferência de imprensa, ao início da noite de sexta-feira, pelo presidente da Câmara Municipal da capital, Fernando Medina. Para o presidente da distrital de Lisboa dos sociais-democratas esta é "boa decisão para os lisboetas".

Mas falta dar o passo seguinte, diz Mauro Xavier, que quer ver o dinheiro poupado com a suspensão das obras aplicado "na devolução da taxa de proteção civil aos lisboetas". Enquanto a câmara faz obras, para quem mora na capital "a conta da água sobe, a conta da taxa de proteção civil sobe", critica o responsável social-democrata, que acredita que a questão não vai ficar por aqui: "Vai haver problemas noutras obras".

Mauro Xavier defende que a suspensão é, na verdade, um cancelamento do projeto de requalificação da Segunda Circular: "Não é tecnicamente possível lançar um novo concurso público" que se traduza em obra feita antes das eleições autárquicas do próximo ano. O PSD "congratula-se" com isso, até porque, sublinha o responsável distrital do PSD, a questão nunca foi sujeita ao voto dos lisboetas. "António Costa nunca disse que queria requalificar a Segunda Circular com aquele projeto", que ia agora ser implementado por "um presidente que não foi sufragado pelo voto", aponta. O PSD quer agora que o inquérito aberto pela autarquia seja acompanhado pela Assembleia Municipal, para apurar se o problema se ficou a dever a "culpa dos serviços" ou a "pressões políticas" para que o processo avançasse rapidamente, não acautelando ou cuidados devidos.

A suspensão da requalificação da Segunda Circular - que implica a suspensão das obras em curso, no troço entre o nó do Ralis e a Avenida de Berlim, e a anulação do concurso público internacional para a segunda fase, entre o nó da Buraca e o aeroporto - ocorre depois de o júri do concurso ter "detetado indícios de conflito de interesses, pelo facto de o autor do projeto de pavimentos ser também fabricante e comercializador de um dos componentes utilizados" no novo pavimento da Segunda Circular, sublinhou ontem Fernando Medina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.