Proteção de Dados quer eliminar nacionalidade da base de dados do registo automóvel

Objetivo é também implementar um novo sistema informático, chamado SIRAUTO

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) recomenda ao Governo que elimine a nacionalidade e número de contribuinte dos titulares de registo automóvel da futura base de dados de suporte ao registo automóvel, em fase de projeto.

A posição consta de um parecer assinado há três semanas, em 27 de julho, em resposta a um pedido de apreciação do Governo sobre o projeto de decreto-lei que vai rever a legislação do registo automóvel e implementar um novo sistema informático, denominado SIRAUTO, que vai promover a partilha internacional de informação para efeitos de investigação de infrações penais.

"No que diz respeito ao dado 'nacionalidade' não se compreende de que modo pode esta informação ser relevante, a menos que associada à admissibilidade de apresentar outro tipo de documentos de identificação, se o titular for estrangeiro. Neste caso, tal deverá estar claramente expresso no texto do projeto. Se assim não for, deveria ser eliminada", lê-se na recomendação da CNPD, publicada no seu portal.

Nesse documento, a comissão defende que "não se vislumbra o objetivo" do Governo a atingir com a publicitação da informação sobre a nacionalidade, através daquele novo sistema informático que vai desmaterializar e simplificar procedimentos administrativos no registo automóvel.

"Também o número de identificação fiscal das pessoas singulares não deveria ser publicitado com o registo, por não servir qualquer intento percetível, devendo o texto do projeto [de decreto-lei] ser alterado, no sentido de excluir a publicitação", defende a CNPD.

Ainda no mesmo parecer, a CNPD critica a intenção de suprimir as obrigações legais do Instituto de Registo e Notariado (IRN), enquanto responsável pelo tratamento dos dados, de prestar aos titulares dos dados informações sobre, designadamente, o caráter obrigatório ou facultativo do fornecimento daqueles dados pessoais, os destinatários ou categorias de destinatários dos dados e a forma do exercício dos direitos.

Também a Ordem dos Advogados já se pronunciou sobre o projeto de diploma, na sequência de um pedido em maio da Secretaria de Estado da Justiça, tendo deliberado, segundo o parecer publicado na sua página na internet, que a revisão do novo sistema informático "permitirá um registo automóvel mais simples e seguro para o cidadão e empresas, bem como a desmaterialização das comunicações com os vários serviços da Administração Pública".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.