Produtos químicos usados no dia a dia podem provocar aumento de peso

PFAS foram anteriormente associados a situações oncológicas, alterações hormonais, disfunção imunológica e colesterol elevado.

Alguns produtos químicos usados em embalagens de alimentos, em frigideiras antiaderentes e em roupas interferem com o metabolismo e provocam aumento de peso, sobretudo nas mulheres, relata um estudo americano divulgado na quinta-feira.

Conhecidos como substâncias polifluoralquil e perfluoralquil, ou PFASs, alguns desses produtos foram anteriormente associados a situações oncológicas, alterações hormonais, disfunção imunológica e colesterol elevado.

"Pela primeira vez, nossos resultados descobriram um novo caminho pelo qual os PFASs podem interferir com a regulação da massa corporal em seres humanos e, assim, contribuir para a epidemia de obesidade", revela o autor principal do estudo, Qi Sun, professor do departamento de Nutrição da Universidade de Harvard.

Os pesquisadores descobriram que os PFASs - também conhecidos como "obesogenes" por sua interferência com a regulação do peso corporal - estão vinculados a um ritmo metabólico mais lento em momentos de repouso.

Pessoas com altos níveis de PFASs no sangue também apresentaram um metabolismo mais lento durante o processo de perda de peso.

O estudo, publicado na revista PLOS Medicine e realizado na década de 2000, analisou os efeitos de quatro dietas ao longo de um período de dois anos. Os níveis de perda de peso e PFAS no sangue foram medidos em 621 pessoas obesas ou com sobrepeso.

Em média, os participantes perderam 6,4 quilos nos primeiros seis meses, mas ganharam 2,7 quilos nos 18 meses seguintes.

Aqueles que ganharam mais peso apresentavam as maiores concentrações de PFASs no sangue, "um vínculo mais forte entre as mulheres", segundo o estudo divulgado na revista PLOS Medicine.

As PFASs estão presentes no ambiente há 60 anos, tendo contaminado a água potável perto de locais industriais, bases militares ou unidades de tratamento de água.

"Os resultados sugerem que limitar ou evitar a exposição a PFASs pode ajudar as pessoas a manter uma massa corporal estável após a perda de peso, especialmente para as mulheres", diz o investigador de Harvard, Philippe Grandjean. co-autor do estudo.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?