Procura de vida noutros planetas vence CanSat

Final nacional de construção de satélites do tamanho de latas terminou ontem. Vencedores vão à final europeia com micro satélite que mede variáveis para encontrar vida

"Há momentos em que corre tudo bem e ontem [sábado] foi um desses dias." É assim que o professor de Física e Química Dário Zabumba, descreve a prestação da sua equipa de alunos do Colégio Guadalupe, no concelho de Seixal, que venceu a final nacional do CanSat Portugal - a competição para escolas secundárias e profissionais para a construção de um satélite do tamanho de uma lata de refrigerante (daí o nome Can (lata, em inglês) Sat (de satélite). A Gsat vai ser a representante portuguesa na final europeia da competição da Agência Espacial Europeia (ESA), que este ano também vai ter lugar na ilha de Santa Maria, nos Açores.

Depois de três dias em que as 16 equipas estiveram a terminar e acertar os detalhes dos seus satélites, para os lançarem no sábado e apresentarem os resultados finais ontem de manhã, o júri deliberou e a Gsat acabou por ser a equipa vencedora. Um feito inédito para o grupo de cinco alunos, quatro dos quais estreantes na competição e um "tri-repetente". E que encheu também de orgulho o professor que esteve presente nas cinco edições do CanSat, sempre com grupos diferentes. A lata lançada pela equipa pretendia descobrir se há vida noutros planetas: "A eterna pergunta", como a classificaram os alunos na apresentação final, sempre feita em inglês. Os sensores que instalaram mediram todas as variáveis de acordo com o esperado e, como foi lançado na Terra, "naturalmente encontrou condições propícias à existência de vida", concluíram os cientistas desta missão, enquanto o professor na plateia da Biblioteca Municipal de Vila do Porto (Santa Maria, Açores), ia filmando a prestação.

Ter tudo pronto foi o segredo

O segredo da vitória: "Foi importante ter um professor motivado, mas acho que correu tudo bem por causa dos testes. Nós testamos tudo antes de vir para cá. Acho que isso deu resultado. Tínhamos tudo pronto e testado antes de virmos", nas palavras de Lara Alves, de 15 anos, que tiveram a concordância dos dois Guilhermes da equipa, do Duarte e do Diogo.

Agora que conquistaram o primeiro lugar, aguarda-os defenderem o título nacional na competição europeia, marcada para os dias 28, 29 e 30 de junho e 1 de julho. Este ano também na ilha de Santa Maria. O grupo garante que não vai mudar nada, a não se tornar a sua lata satélite mais "fancy".

Além do primeiro lugar foram também entregues as medalhas de prata e de bronze. O segundo lugar coube à equipa Satfree, do Colégio Valsassina, em Lisboa. O grupo viu o seu estudo sobre a resistência da mosca da fruta ao impacto de um lançamento ser distinguido e conquistaram um estágio de uma semana na empresa Edisoft (que tem a concessão da base da ESA na ilha de Santa Maria) e que é parceira do CanSat Portugal.

O terceiro lugar coube à equipa Alph@ pelos resultados conseguidos na sua missão de estudar a força de impacto no solo durante a queda do satélite e fazer uma trajetória 3D graças a um GPS. Como prémio, os alunos da Secundária José Gomes Ferreira, de Lisboa, ganharam uma ocupação científica à escolha durante as férias.

O júri decidiu ainda entregar uma menção honrosa à equipa Rhocan, da escola profissional de estudos técnicos de Lisboa que escolheram como missão identificar e seguir os aviões em voo, de forma a que não se perca a sua localização em caso de acidente em zonas mais remotas.

Mariano Gago lembrado

Antes da revelação dos vencedores, o presidente do júri, o professor e consultor da ESA Manuel Paiva elogiou a participação de escolas técnicas, a melhoria de ano para ano da qualidade das propostas e ainda recordou o antigo ministro da Ciência José Mariano Gago por ter sido sob a sua tutela que Portugal assinou a entrada na ESA. Presente na edição deste ano, o atual ministro da Ciência e Tecnologia, Manuel Heitor - cujo percurso como cientista foi também elogiado por Manuel Paiva - incentivou os jovens a prosseguirem carreiras no espaço, especialmente "nas indústrias do novo espaço", ou seja, no desenvolvimento dos micro e nano satélites e os lançadores para esses satélites. E referiu a aprovação há dois meses da nova estratégia nacional para o espaço, que vai apostar nas tecnologias para os novos mercados (aplicação na agricultura, segurança ou pesca), nos micro satélites e nos micro lançadores de satélites, onde Santa Maria se pode afirmar como plataforma de lançamento.

Já a presidente da Ciência Viva, que coordena o CanSat em Portugal, Rosalia Vargas mostrou-se visivelmente satisfeita pelo entusiasmo demonstrado pelos estudantes. Sublinhando que "Portugal, em matéria de educação e cultura científica, está no top 5 mundial". Um trabalho feito graças aos 22 centros Ciência Viva do país.

A jornalista viajou a convite da Ciência Viva

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.