Presidente da câmara afirma que não houve "touros de fogo" na Festa da Amizade

O autarca disse que a atividade havia sido colocada no programa sem conhecimento prévio do município, tendo quinta-feira sido decidido cancelá-la

O presidente da Câmara de Benavente disse hoje à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

Carlos Coutinho afirmou que o incidente ocorrido na madrugada de sábado, durante a festa que decorreu no final da semana na vila, não se enquadra no chamado "touros de fogo" que se pratica em Espanha, em que são colocados nos cornos do touro panos embebidos num líquido inflamável posto a arder enquanto o animal corre num espaço aberto, provocando queimaduras e ferimentos.

O autarca disse à Lusa que a atividade havia sido colocada no programa sem conhecimento prévio do município, que apoia a festa organizada pelas comissões da Sardinha Assada e da Picaria, tendo quinta-feira sido decidido cancelá-la, depois de ser reconhecido que esta não é uma tradição do concelho e de ser recebido o parecer da Direção-Geral de Veterinária, pedido pelos organizadores.

"O que aconteceu não foi 'touros de fogo'. Algumas pessoas decidiram colocar uma pequena estrutura em ferro acoplada aos cornos de um touro, onde colocaram pequenos foguetes usados nos bolos de aniversário que arderam durante 30 ou 40 segundos. Não provocou qualquer ferimento no animal, ao contrário do que sucede em Espanha", disse Carlos Coutinho, que lamentou o sucedido.

"Esta é uma festa com 50 anos, marcada pelo convívio, pela confraternização, em que os benaventenses recebem bem os milhares de pessoas que nos visitam", disse, salientando que a festa, surgida da iniciativa de um grupo de amigos que se reuniu para uma sardinhada e uma pequena "garraiada", cresceu, tendo atualmente um conjunto vasto de atividades que, apesar do elevado número de visitantes, decorrem "sem problemas".

O autarca sublinhou a ligação das populações ao touro e ao cavalo, num concelho que possui das maiores concentrações de ganadarias do país, dadas as condições do seu território.

"As imagens chocantes passadas (nas redes sociais) não correspondem ao que aconteceu", disse, sublinhando que "a gente de Benavente não é bárbara, sabe viver as suas festas e respeitar o touro bravo".

Questionado sobre a decisão do Ministério Público de abrir um inquérito crime sobre o sucedido na Festa da Amizade, Carlos Coutinho afirmou que fica a aguardar o resultado de um procedimento que "seguramente há de avaliar a situação".

"Na nossa opinião, o que aconteceu não configura crime, porque não houve 'touros de fogo'", atividade que "nem sequer faz parte da tradição" de um concelho, que tem a sua história, assente no touro, no cavalo e no campino, e que gosta de a celebrar "com alegria e em convívio".

A secção de Benavente do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) -- comarca de Santarém -- disse hoje à Lusa que foi determinada a "abertura de inquérito para efeitos de investigação da eventual prática de crime relacionada com a atividade 'touros de fogo'".

Também o PAN - Partido dos Animais e da Natureza questionou a ministra da Administração Interna sobre o sucedido nas festas de Benavente.

"Apesar das várias interpelações do partido e de outras entidades aos órgãos de polícia criminal, estes alegadamente estiveram presentes no local das festividades e nada fizeram para impedir a tentativa ou consumação desta prática ilícita e atentatória do bem-estar e da integridade física do animal", pode ler-se na página no Facebook do partido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.