Prémio Mário Quartin Graça atribuído a estudantes portugueses e brasileiros

Prémio, atribuído pelo Banco Santander Totta e pela Casa da América Latina, distingue investigadores portugueses ou latino-americanos em universidades de Portugal ou da América Latina

O prémio Científico Mário Quartin Graça foi atribuído esta terça-feira a dois portugueses e uma brasileira cujas teses de doutoramento se destacaram no concurso, nas categorias de Ciências Sociais e Humanas, Tecnologias e Ciências Naturais e Ciências Económicas e Empresariais.

A brasileira Daniele Fontoura e os portugueses Vítor de Sousa e Jorge Fernando Pereira vão receber cinco mil euros cada pelo trabalho académico desenvolvido, indica um comunicado enviado à comunicação social.

Fontoura trabalhou sobre o "Envelhecimento e Mercado de Trabalho do Setor Hoteleiro Brasileiro e Português: Uma Perspetiva de Género", título da tese, sob a tutela da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa. Venceu na categoria "Ciências Económicas e Empresariais".

Vítor de Sousa, da Universidade do Minho, venceu com a tese "Da 'Portugalidade' à Lusofonia" na categoria "Ciências Sociais e Humanas", e Jorge Fernando Pereira, da Universidade de Aveiro, escreveu sobre "Um conto de dois bioprocessos" e venceu na categoria "Tecnologias e Ciências Naturais".

Para esta distinção, atribuída pelo Banco Santander Totta e a Casa da América Latina - e que visa distinguir teses de doutoramento realizadas por investigadores portugueses ou latino-americanos em universidades de Portugal ou da América Latina - concorreram doutorandos de vários países, como Colômbia, Venezuela, Argentina, Chile, Panamá e Uruguai, segundo o comunicado.

A cerimónia de entrega do prémio deverá ocorrer em dezembro.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.