Portuguesa morre após ter sido sequestrada na Venezuela

Comerciante de 42 anos e o marido foram atacados em Caracas. O homem ficou ferido

Uma comerciante portuguesa de 42 anos morreu depois de ter sido sequestrada por desconhecidos, que feriram ainda o marido, em Caracas, avançaram fontes da comunidade portuguesa à Lusa.

Segundo as fontes, Maria Fátima de Olim Teixeira e o marido Freddy Navas Caraballo (48 anos) foram intercetados por vários homens armados quando se dirigiam para a casa de uma família num dos seus automóveis, um Toyota Corolla branco.

O sequestro aconteceu pelas 21:00 horas locais de quinta-feira (01:30 horas de hoje em Lisboa) na urbanização Caurimare do Município de Baruta.

Os vizinhos alertaram a polícia quando verificaram que os criminosos obrigavam ambos a passarem para o assento de trás de uma outra viatura.

Uma familiar da vítima, Jesus de Olim, explicou aos jornalistas que o marido, um antigo funcionário da extinta Polícia Metropolitana, tinha uma pistola com a qual enfrentou os criminosos, que perderam o controlo da viatura e embateram contra uma parede. A mulher terá morrido instantaneamente.

O marido e um sequestrador ficaram feridos, tendo sido levados para o Hospital Domingo Luciani.

Funcionários policiais confiscaram, dentro da viatura, uma granada (engenho explosivo), que terá sido usado pelos raptores para intimidar as vítimas e duas pistolas.

Mãe de dois filhos, Maria Fátima de Olim Teixeira era proprietária de um pequeno restaurante em Cátia (oeste de Caracas) e preparava-se para regressar para Portugal, devido à insegurança que se vive na Venezuela.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).