Portugal volta a acolher Capital Europeia da Cultura em 2027

O Parlamento Europeu aprovou hoje a lista dos Estados-membros que vão acolher as capitais europeias da cultura entre 2020 e 2033, que prevê que uma cidade portuguesa seja capital em 2027, juntamente com uma localidade da Letónia.

Lançada em 1985, a Capital Europeia da Cultura já esteve "sedeada" por três vezes em Portugal, designadamente em Lisboa (1994), no Porto (2001) e em Guimarães (2012), desconhecendo-se ainda qual a cidade eleita para 2027: os concursos para a atribuição do título de Capital Europeia da Cultura começam seis anos antes, pelo que, no caso de Portugal, tal só acontecerá dentro de quatro anos, em 2021.

A Suíça, o Liechtenstein, a Noruega e a Islândia (países da Associação Europeia de Comércio Livre que são partes no Acordo sobre o Espaço Económico Europeu) vão passar a poder participar no concurso uma vez em cada três anos, como acontece com os países candidatos e potenciais candidatos à UE.

Depois de Aarhus (Dinamarca) e Pafos (Chipre), no ano em curso, as próximas capitais europeias da cultura serão Valeta (Malta) e Leeuwarden (Holanda), em 2018, Plovdiv (Bulgária) e Matera (Itália), em 2019, e Rijeka (Croácia) e Galway (Irlanda) em 2020.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.