Portugal tem quatro campeões mundiais em cálculo mental

Um dos estudantes conqustou o título mundial pelo terceiro ano consecutivo

Quatro estudantes portugueses, dois deles de Abrantes, conquistaram este ano o título de campeões mundiais de cálculo mental no SuperTmatik, nos respetivos escalões, tendo João Bento, de 14 anos, conquistado o título mundial pelo terceiro ano consecutivo.

Nos resultados provisórios avançados no site da organização, Portugal ficou em primeiro lugar na geral do SuperTmatik - concurso de cálculo mental com jogo de cartas destinado ao treino das operações básicas da matemática para os alunos do 1º ao 9º ano de escolaridade - e com quatro estudantes lusos a conquistarem as posições cimeiras nos respetivos escalões etários, sendo dois deles estudantes em Abrantes, um de Castelo Branco e um outro de Mafra.

Rita Mascate, estudante do 4º ano na escola da Chainça, do Agrupamento de Escolas nº 2 de Abrantes, João Bento, do 8º ano da secundária Solano de Abreu, pertencente ao Agrupamento de Escolas nº 1 de Abrantes, Matilde Santos Lourenço, do 1º ano do Centro Social Padres Redentoristas, de Castelo Branco, e Miguel Diogo Ruivo, do 5º ano da escola Básica António Bento Franco, em Ericeira, Mafra, foram os mais rápidos do mundo na resolução das 15 equações da competição.

João Bento, de 14 anos, conquistou o 1º lugar no seu escalão e o segundo melhor tempo mundial de sempre, no total das 10 edições do concurso, com um tempo de resolução de 34,1 segundos às 15 equações que lhe foram apresentadas, o 2º melhor tempo da história da competição, e com um tempo médio de resolução de 2,27 segundos por equação.

João Silva Bento, estudante do 8º ano na Escola Secundária Solano de Abreu, sagrou-se campeão mundial de cálculo mental pelo terceiro ano consecutivo. O recorde mundial da prova já lhe pertence e este ano gastou mais sete centésimos de segundo relativamente ao ano passado.

O 2º classificado, um aluno coreano (47' 11"), ficou a uma distância de 13 segundos de João Bento. O terceiro lugar foi para a Escócia, com um tempo de 47,40 segundos.

No ano passado, João Bento conseguiu um tempo de resolução de 33,66 segundos às 15 equações que lhe foram apresentadas. A vitória nos últimos dois anos deu a João Bento dois troféu de cristal e a possibilidade de jantar duas vezes com o então Presidente da República, Cavaco Silva, a convite deste.

Rita Mascate, de 10 anos, no primeiro ano em que participou, e perante milhares de concorrentes de todo o mundo, foi a mais rápida, com um tempo de resposta de 41,44 segundos às 15 equações, dando um avanço de 5,45 segundos à segunda classificada, (China), com 46,89 segundos, e mais de seis segundos ao terceiro classificado (Malta), que gastou 47,40 segundos.

"Eu adoro tabuadas e estou sempre a fazer contas", destacou Rita Mascate, tendo referido que soube da importância do seu feito pela reação do seu professor: "quando soube o resultado, o meu professor ficou muito espantado pelo que me pareceu que tinha sido bom", disse a jovem campeã mundial.

"Ela gosta de fazer bem e trabalha sempre para ser a melhor, em vários domínios, é uma característica dela. É um resultado espetacular e que é motivador para ela", destacou a mãe de Rita, Cristina Martins.

Da escola da Chaínça, de Abrantes, saiu ainda um 9º lugar, ficando Simão Silva no 'top ten' mundial, ainda no 4º escalão, com o tempo de 49,99 segundos.

No total dos nove escalões, Portugal conseguiu quatro primeiros lugares e a liderança na classificação geral.

A organizadora do evento mundial disponibilizou na sua página na internet a classificação parcial da competição, tendo divulgado a classificação dos primeiros 20 países no concurso SuperTmatik 2014/2015 e a classificação dos 10 melhores alunos de cada escalão. Os resultados definitivos e estatísticas oficiais serão conhecidos no dia 18 de maio.

A competição relativa aos Campeonatos SuperTmatik, que decorrem anualmente e online, envolveu no ano passado mais de 277 mil alunos de 65 nacionalidades diferentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.