Portugal tem 13 776 táxis e mil licenças por ocupar

Observatório dos Mercados da Mobilidade, Preços e Estratégias Empresariais fez levantamento estatístico do número de táxis existentes. Só Lisboa tem um quarto dos táxis

Em Portugal, circulavam 13 776 táxis, em agosto de 2016. Mas podiam ser 14 857 se todas as licenças estivessem ocupadas. Ao longo da última década, o número de táxis tem sido, no entanto, estável, revela um estudo revelado esta quarta-feira, feito pelo Observatório dos Mercados da Mobilidade, Preços e Estratégias Empresariais, da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT).

Só o concelho de Lisboa tem um quarto dos táxis registados. Uma distribuição ditada pela população residente e a procura do turismo, dois indicadores que cresceram no sentido inverso - a população a descer e o turismo a aumentar - na última década, destaca o relatório. "Tem sido pelo efeito destas alterações que, face a 2006, em Portugal, o número de táxis por mil habitantes aumentou de 1,30 para 1,33, tendo, por outro lado, o número de táxis por mil dormidas em estabelecimentos hoteleiros caído de 0,36 para 0,26", pode ler-se no documento agora apresentado e disponível num microsite.

Estes dados estatísticos permitem, segundo a AMT, "uma reflexão sobre o enquadramento legislativo e regulatório do transporte de passageiros em veículos ligeiros, nomeadamente no que se refere ao regime de contingentação dos serviços de transporte em táxi". Atualmente, a maioria dos municípios (77%) definem os contingentes com âmbito infra concelhio, por exemplo, ao nível das freguesias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.