Portugal tem 13 776 táxis e mil licenças por ocupar

Observatório dos Mercados da Mobilidade, Preços e Estratégias Empresariais fez levantamento estatístico do número de táxis existentes. Só Lisboa tem um quarto dos táxis

Em Portugal, circulavam 13 776 táxis, em agosto de 2016. Mas podiam ser 14 857 se todas as licenças estivessem ocupadas. Ao longo da última década, o número de táxis tem sido, no entanto, estável, revela um estudo revelado esta quarta-feira, feito pelo Observatório dos Mercados da Mobilidade, Preços e Estratégias Empresariais, da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT).

Só o concelho de Lisboa tem um quarto dos táxis registados. Uma distribuição ditada pela população residente e a procura do turismo, dois indicadores que cresceram no sentido inverso - a população a descer e o turismo a aumentar - na última década, destaca o relatório. "Tem sido pelo efeito destas alterações que, face a 2006, em Portugal, o número de táxis por mil habitantes aumentou de 1,30 para 1,33, tendo, por outro lado, o número de táxis por mil dormidas em estabelecimentos hoteleiros caído de 0,36 para 0,26", pode ler-se no documento agora apresentado e disponível num microsite.

Estes dados estatísticos permitem, segundo a AMT, "uma reflexão sobre o enquadramento legislativo e regulatório do transporte de passageiros em veículos ligeiros, nomeadamente no que se refere ao regime de contingentação dos serviços de transporte em táxi". Atualmente, a maioria dos municípios (77%) definem os contingentes com âmbito infra concelhio, por exemplo, ao nível das freguesias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.