Portugal, Espanha e França unidos na defesa da Tourada

Prótoiro é membro fundador do Conselho Internacional de Tauromaquia. Paulo Pessoa de Carvalho (PróToiro), Victorino Martin (Fundación del Toiro de Lidia) e André Viard (Observatoire National des Culture Taurines) assinaram acordo histórico para traçar estratégia de promoção da tourada

A Prótoiro (Portugal), a Fundación del Toro de Lidia (Espanha) e o Observatoire National des Culture Taurines (França) criaram o Conselho Internacional de Tauromaquia com o objetivo de promover a cultura taurina e defender todas as atividades taurinas de movimentos proibicionistas. Num acordo histórico, estes três países de fortes tradições tauromáquicas dão agora início a um processo de cooperação internacional na defesa e promoção da tauromaquia, assim como da sua prática e desenvolvimento.

"Existe hoje uma tentativa de destruir a cultura taurina, feita por organizações internacionais, pelo que a nossa resposta tem de ser também de âmbito internacional e concertada entre os três países taurinos da Europa", defende Paulo Pessoa de Carvalho, Presidente da Prótoiro, para quem a "criação do Conselho Internacional de Tauromaquia é uma demonstração da força e vitalidade das touradas nestes países".

Com o CIT, acrescenta Paulo Pessoa de Carvalho, "pretende-se potenciar a defesa e promoção dentro dos três países, mas também levar a cultura taurina a nível internacional, incluindo a organizações como o Parlamento Europeu ou a ONU".

O Conselho Internacional de Tauromaquia compromete-se, entre outras matérias, a apoiar os países no reconhecimento das manifestações taurinas como património cultural imaterial, ao abrigo da Convenção da UNESCO de 2003.

Outra área de ação do CIT passa pela sensibilização de grupos políticos e de comunicação social sobre a riqueza cultural, económica, social, artística e pedagógica da tauromaquia.

O CIT visa também promover a solidariedade e a mobilização dos aficionados de todos os países. O objetivo é que a voz de todos seja ouvida, quando reivindicarem o direito de poder praticar a sua cultura e transmiti-la às novas gerações, mas também quando for necessário denunciar os ataques de que tem sido alvo.

O protocolo foi assinado esta terça-feira, em Madrid (Espanha), numa encontro histórico para a comunidade taurina internacional. Está previsto que as organizações dos outros países com tradição tauromáquica se possam juntar ao Conselho Internacional de Tauromaquia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.