Portugal acima da média da UE nos projetos de investigação

Horizonte 2020. Taxa de sucesso dos projetos acima da média da UE e fundos captados acima dos gastos. Mas o ministro quer mais

Portugal entrou no lote dos países que efetivamente beneficiam dos fundos comunitários para a ciência. No programa-quadro Horizonte 2020 (H2020), atualmente em curso, ao captarem até agora 403 milhões de euros, os projetos nacionais já permitiram que o país recebesse mais apoios do que a fatia da sua contribuição para os 77 mil milhões de euros de orçamento comunitário para estas iniciativas. E a taxa de sucesso dos projetos nacionais está nos 13,4%, quase um ponto percentual acima da média europeia de 12,6%.

Mas para o ministro da Ciência e Ensino Superior, Manuel Heitor, há ainda "muito trabalho a fazer". O objetivo, garante, é que "já a partir da segunda fase do H2020 e no futuro programa, cujos termos deverão estar definidos em 2018, seja fomentada uma maior coesão", entre os diferentes estados-membros.

Nos últimos anos, defende ao DN, tem havido concentração dos fundos em projetos "nos países do Norte e Centro da Europa", enquanto os do Sul, devido à crise, tiveram perdas, nomeadamente "ao nível dos recursos humanos".

A evolução da participação nacional nos programas europeus de investigação e inovação - desde a primeira edição, de 1983-87 -, bem como as perspetivas de futuro, serão temas de uma conferência que vai decorrer esta tarde, pelas 16.30, no Grande Anfiteatro do Centro de Congressos do Instituto Superior Técnico, em Lisboa. Uma iniciativa conjunta da Fundação para a Ciência e Tecnologia e da Agência Nacional para a Inovação.

Projetos inovadores

No encontro serão também reveladas algumas das mais promissoras apostas, entre os recordistas 887 projetos nacionais envolvidos no primeiro triénio do H2020.

Por exemplo, ao nível da vertente da Liderança Industrial, o Ministério do Ensino Superior destaca uma película que está a ser desenvolvida por investigadores nacionais, destinada a preservar o calor das casas, que deverá permitir uma poupança energética até aos 25%.Ou ainda, ao nível dos projetos que envolvem empresas -250 participantes nacionais, 169 das quais PME - um kit de diagnóstico clínico que permitirá determinar, no espaço de horas (em vez de um a dois dias), o antibiótico mais indicado para combater uma infeção, ao determinar a suscetibilidade das bactérias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.