Transportes públicos com cerca de 38 queixas por dia

A maioria das reclamações está relacionada com atrasos e com a diminuição de linhas, percursos e horários.

O portal da Deco para queixas sobre os transportes públicos recebe, em média, 38 reclamações por dia, a maioria relacionada com atrasos e com a diminuição ou supressão de linhas, percursos e horários.

Desde 11 de fevereiro, dia em que foi lançada a Carta dos Direitos dos Passageiros de Transporte Público Coletivo e o portal, a associação de defesa do consumidor já recebeu 1.580 queixas de passageiros, disse à agência Lusa Ana Sofia Ferreira, jurista da Deco.

Relativamente à carta dos direitos dos passageiros, a jurista adiantou que já foi subscrita por 6.077 pessoas, "o que significa que os consumidores estão interessados sobre esta matéria".

Destas, 1.580 apresentaram queixa no portal, a maioria devido a atrasos (22%) e a diminuição ou supressão de linhas ou percursos e horários (20%).

"O testemunho que estes consumidores nos fazem chegar diariamente" é que estes atrasos "já fazem parte" do seu quotidiano, uma situação que "é necessário verificar e melhorar" porque significa "tempo perdido" para os passageiros, disse a jurista.

Os preços elevados dos títulos de transporte e a aquisição de passes mensais com percursos superiores aos que os consumidores vão utilizar também motivaram queixas (8%).

Perante esta situação, a Deco defende que os consumidores devem ter "mais opções" em termos de títulos de transporte e passes mensais mais adequados às necessidades dos consumidores.

Houve ainda utentes que reclamaram sobre questões de falta de higiene e conforto (8%) nos autocarros, nas carruagens e nos locais onde aguardam pelo transporte.

Os principais alvos das queixas foram os transportes rodoviários e ferroviário, com 948 e 321 reclamações, respetivamente,

O Metropolitano recebeu 229 reclamações, o transporte marítimo/fluvial 47) e o transporte aéreo 36.

O que a Deco tem verificado é que "existe um descontentamento por parte dos passageiros, mas depois não existe a formalização da reclamação", disse a jurista.

Isto acontece porque os passageiros encaram estes problemas como "meros constrangimentos e um descontentamento que vão conversando, mas não dão conhecimento aos prestadores de serviços e às entidades competentes", uma situação que "é necessário alterar para que possam ser feitas melhorias no serviço que é prestado".

A Deco já encetou mediações com as entidades reclamadas e deu conhecimento às entidades reguladoras das queixas apresentadas pelos utentes, exigindo "uma intervenção mais eficaz neste setor e a melhoria da qualidade deste serviço".

Também tem apresentado a carta dos direitos aos operadores, procurando "reforçar os direitos já implementados e a introdução de novos" para responder às exigências e necessidades dos consumidores.

"É essencial que esta carta seja debatida por todos os operadores e que seja verificada a possibilidade da sua aplicação", defendeu a jurista.

Para debater os direitos e interesses dos passageiros, a associação realiza na quinta-feira, na Estação do Rossio, em Lisboa, um debate para discutir os problemas relatados pelos consumidores e encontrar soluções.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.