Grupo de cientistas da Nasa quer que Plutão volte a ser um planeta

Cientistas propõem uma nova definição de planeta, que voltaria a colocar Plutão (e mais 109 corpos celestes) na lista.

Há dez anos, Plutão foi despromovido da categoria de planeta. A 24 de dezembro de 2006, a União Astronómica Internacional (IAU) decidiu criar uma nova categoria para definir os planetas que giram em volta do Sol e têm massa suficientes para estar em equilíbrio hidrostático mas que, ao contrário dos oito planetas principais (Mercúrio, Vénus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno) não têm uma órbita "limpa", ou seja, que não é influenciada por outros planetas. E Plutão passou a ser considerado um "planeta-anão".

Mas a decisão nunca foi consensual.

E, agora, Alan Stern, o responsável da Nasa pela missão New Horizons a Plutão, apoiado por um grupo de outros cientistas, propõem uma nova definição de planeta que, se for aprovada, volta a pôr Plutão na lista. Plutão e mais uma série de de 109 outros objetos do nosso sistema solar.

Segundo estes cientistas "um planeta é um corpo sub-estelar que nunca foi submetido a uma fusão nuclear e que possui gravitação suficiente para assumir um formato esferoidal adequadamente descrito por um elipsoide triaxial independentemente dos parâmetros orbitais".

De acordo com esta definição, os corpos celestes não precisam de orbitar em volta do Sol para serem considerados planetas. Seriam tidas em conta apenas as suas propriedades físicas e não a sua interação com outros corpos celestes. Desta forma, a Lua passaria também a ser considerada um planeta e não um satélite da Terra.

Os cientistas defendem que esta definição vai de encontro àquilo a que as pessoas comuns entendem como planeta e, por isso, irá acabar com os mal-entendidos que existiram até aqui.

A proposta será apresentada durante a Conferência Anual de Ciência Planetária e Lunar (LPSC, na sigla em inglês), que ocorrerá de 20 a 24 de março, nos Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".