Taxista morto a tiro de caçadeira após discussão em Monchique

PJ investiga morte do homem de 70 anos

A Polícia Judiciária (PJ) está a investigar a morte de um homem ocorrida na terça-feira à noite, alegadamente atingido a tiro à porta de um café na vila de Monchique, no Algarve, disse à Lusa fonte policial.

"O caso está a ser investigado para apurar as circunstâncias em que o incidente ocorreu", indicou fonte da Diretoria de Faro da PJ.

Por seu turno, uma outra fonte policial disse à Lusa que o incidente ocorreu por volta das 22:30, junto a um estabelecimento de restauração, tendo o homem, de cerca de 70 anos, sido alegadamente baleado com uma arma caçadeira, por um outro com quem momentos antes tivera uma discussão.

A mesma fonte referiu que na sequência do incidente, foi detido um homem, suspeito de ter efetuado os disparos de uma arma caçadeira que atingiram mortalmente o homem, taxista de profissão em Monchique.

Segundo a fonte, o suspeito dos disparos prestou assistência à vítima, tendo sido retido por populares até à chegada da Guarda Nacional Republicana (GNR), que procedeu à detenção.

A vítima chegou a ser assistida no local por uma equipa do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), mas não resistiu aos ferimentos.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.