PJ detém suspeito de violar menor de 14 anos em casa de acolhimento no Algarve

O detido, de 18 anos, terá violado o menor de 14 anos "mediante o uso de força física", no domingo, dia 26 de novembro, refere a PJ em comunicado

A Polícia Judiciária (PJ) deteve em Albufeira, no Algarve, um jovem suspeito de ter violado um menor de 14 anos dentro de uma instituição de acolhimento do concelho, informou hoje a diretoria do Sul da PJ.

O detido, de 18 anos, e o menor "estão ambos institucionalizados" na casa de acolhimento, disse à agência Lusa uma fonte da PJ, questionada sobre o tipo de relação existente entre a vítima e o alegado agressor.

A mesma fonte escusou-se a avançar muitos detalhes sobre o caso, invocando a reserva necessária neste tipo de crimes, "até para proteção da própria vítima", e ao ser questionada sobre se o crime foi cometido numa casa de acolhimento de jovens em risco, respondeu apenas que se trata de uma "instituição de acolhimento".

A detenção, acrescentou, "foi feita na zona" onde se encontra a instituição.

No comunicado em que divulgou a detenção, a PJ referiu que o crime terá sido cometido "no passado dia 26 de novembro no interior de uma casa de acolhimento no concelho de Albufeira, mediante o uso de força física".

"O detido constrangeu a vítima, um rapaz de 14 anos de idade, a manter relações sexuais", acrescentou a PJ no comunicado, sublinhando que o suspeito ainda vai ser ouvido em tribunal, que decretará as eventuais medidas de coação a aplicar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.