PJ detém caçador suspeito de atingir mortalmente mulher em Vila Real

A Polícia Judiciária deteve um caçador suspeito de ser o autor do disparo que atingiu mortalmente uma mulher em Leirós, Vila Real.

Fonte da PJ referiu que o caçador, de cerca de 50 anos, vai ser presente ainda durante o dia de hoje a primeiro interrogatório judicial, no tribunal de Vila Real, para aplicação de eventuais medidas de coação.

O homem está indiciado como sendo o autor do tiro que matou uma mulher de 28 anos, quando esta caminhava na Estrada Nacional 15 (EN15), junto à aldeia de Leirós, no concelho de Vila Real.

O incidente ocorreu cerca das 22:00 de quarta-feira. A vítima foi atingida na zona do pescoço e acabou por morrer já na unidade de Vila Real do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Durante o dia de quinta-feira, a PJ esteve no local a recolher indícios e ouviu ainda vários caçadores da zona.

A vítima caminhava numa zona pouco iluminada e isolada, na EN15, com uma amiga quando foi atingida, presume-se que por um disparo acidental. A amiga ficou em estado de choque.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.