PJ apreende mais 249 quilos de cocaína em veleiro aportado na Madeira

Polícia já tinha realizado duas outras apreensões no mesmo navio em julho

A Polícia Judiciária (PJ) informou hoje ter apreendido mais 249 quilos de cocaína dissimulados a bordo de um veleiro aportado na ilha da Madeira, no qual já havia sido efetuado duas outras apreensões.

Segundo um comunicado da PJ, as buscas ao veleiro, que desde o passado mês de julho está atracado no Funchal, foram concluídas na quinta-feira.

Esta última diligência permitiu "detetar mais cerca de 249 quilogramas de cocaína", o que eleva para um total de 590 quilos a droga descoberta na embarcação.

A mesma fonte acrescentou que "o método cuidado de dissimulação fez com que as buscas se tivessem prolongado no tempo".

A PJ já tinha realizado duas apreensões ao navio, chamado "Calma" - uma a 18 de julho, em que foram detetados 122 quilos de droga, e outra, no início do mês de agosto, tendo sido descobertos 215 quilos de cocaína.

Em julho foram detidos dois tripulantes, um espanhol e um uruguaio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.